Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Peru: 24 horas em Lima

Peru: 24 horas em Lima
Tamanho do texto Aa Aa

Cultura e aventura, história e paisagens de tirar o fôlego. Lima tem tudo isto. Ao flutuar de parapente no distrito de Miraflores é possível ver que a capital peruana é uma metrópole multifacetada e sofisticada. Foi oficialmente fundada pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro em 1535, como a Ciudad de los Reyes. Encontrámo-nos com o nosso guia, Luis Repetto, na principal praça de Lima: “chama-se Plaza de Armas, porque nos séculos 17 e 18, Lima era uma cidade muito assediada pelos piratas. As armas eram guardadas na casa do governo. Quando era dado o sinal que os piratas estavam por perto, o povo vinha até à casa do governo buscar as armas, para defender a cidade.”

24 horas em Lima

  • Lima foi fundada a 18 de janeiro de 1535, pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro.
  • Foi batizada como a “Cidade dos Reis”, uma vez que a inauguração estava prevista para 6 de janeiro.
  • A Plaza Mayor, conhecida como Plaza de las Armas, é o coração da cidade. Entre os seus monumentos encontram-se o Palácio do Governo, a Catedral e o Palácio do Arcebispado.
  • É a única capital sul-americana situada junto ao oceano Pacífico.

A avenida Jirón de la Unión liga a Plaza de Armas com outra praça histórica, a Plaza San Martin. Foi considerada a rua pedestre mais aristocrática da cidade, durante anos: “hoje, este centro histórico tem uma vida incomum e inesperada, porque é um centro comercial. Mas, a dada altura, também foi um centro social, mesmo em 1920-1930 na altura boémia de Lima, na época da literatura e do esplendor da literatura da cidade: dizia-se que Lima era a Jirón de la Unión, e que a Jirón de la Unión era o Peru”, acrescenta Luis Repetto.

No centro histórico está o museu de belas artes de Lima, conhecido como Mali. Um edifício marcante, construído em 1872 para a primeira Exposição Internacional de Lima. Abriga a maior coleção de arte peruana, desde a a época pré-colombiana até aos dias de hoje.

“Encontramos desde a cerâmica pré-colombiana até à pintura camponesa, passando pelas pratas coloniais, fotografia, aguarelas, design têxtil do século XX. Mas o foco é sempre a cultura artística; é o valor estético das obras”, diz a diretora do museu, Natalia Majluf.

Existe um bairro incontornável: Barranco. É a zona mais artística de Lima, cheia de cor, pequenos restaurantes e cafés. Demos um passeio com a especialista em arte, Maria José Gueudet: “as pessoas viviam originalmente no centro de Lima e vinham passar os três meses de Verão nestas grandes casas senhoriais com toda a família – eram as casas de praia”.

Maria José é também diretora de uma das “Casonas”, as casas coloniais de Barranco. É hoje um hotel e uma galeria de arte bem conhecida: “este hotel é de 1914, ou seja, tem 102 anos. Esteve abandonado durante vinte anos, foi recuperado por artistas plásticos. Foram precisos três anos para restaurar a casa”.

Não quisemos deixar Lima sem ver o pôr do sol em Malecón, com vista para o Pacífico, nas falésias da Costa Verde. E não podíamos regressar à Europa sem ver a pirâmide de argila, no distrito de Miraflores. Lima surpreendeu-nos com as suas paisagens, palácios, igrejas e galerias de arte. No próximo episódio de Peru Life vamos até aos Andes, para falar de comércio justo, com os produtores de café e cacau.