EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Vaticano proíbe que as cinzas de católicos sejam espalhadas ou guardadas em casa

Vaticano proíbe que as cinzas de católicos sejam espalhadas ou guardadas em casa
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Vaticano deu a conhecer, esta terça-feira, as orientações para os católicos que querem ser cremados.

PUBLICIDADE

O Vaticano deu a conhecer, esta terça-feira, as orientações para os católicos que querem ser cremados.

No documento, aprovado pelo papa Francisco, é lembrado que a igreja aceita a cremação, mas as cinzas não podem ser espalhadas, divididas ou guardadas em casa.

Don’t scatter cremated ashes or keep them at home, Vatican says https://t.co/ONMYQUqMQfpic.twitter.com/HzJ10×0zI8

— TODAY (@TODAYonline) October 25, 2016

As cinzas devem, então, ser mantidas em local sagrado, “ou seja, no cemitério, ou numa igreja, ou numa área especialmente dedicada para este fim pela autoridade eclesiástica competente”.

Para a Igreja, “a conservação das cinzas num lugar sagrado ajuda a reduzir o risco de afastar os defuntos da oração e da lembrança dos familiares e da comunidade cristã”.

New guidance from the Vatican: It's OK to cremate the dead but not to scatter their ashes: https://t.co/euMY8v8xXtpic.twitter.com/f3BN6H8UOL

— The Seattle Times (@seattletimes) October 25, 2016

O documento da Congregação do Vaticano para a Doutrina da Fé reitera que o enterro continua a ser o seu preferido.

Durante a maior parte da sua história de mais de 2.000 anos, a Igreja Católica só permitia o enterro, por considerar que expressava a esperança cristã na ressurreição.

Em 1963, o Vaticano passou a permitir a cremação desde que não sugira uma negação da fé sobre a ressurreição.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Papa Francisco pede desculpa por utilizar termo ofensivo sobre pessoas LGBT

Papa Francisco condena "ataque terrorista vil" em Moscovo

Mulheres que dizem ter sido abusadas por um jesuíta outrora famoso exigem transparência ao Vaticano