EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Áustria: Van der Bellen vencedor, Hofer reconhece derrota

Áustria: Van der Bellen vencedor, Hofer reconhece derrota
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alexander Van der Bellen é o novo presidente austríaco.

PUBLICIDADE

Alexander Van der Bellen é o novo presidente austríaco.

O candidato independente, que já liderou o partido dos Verdes, conseguiu nas presidenciais deste domingo 53,6% dos votos, derrotando o candidato da direita nacionalista anti-imigração, Norbert Hofer, que registou 46,3%.

Hofer reconheceu a derrota quando os resultados ainda não eram oficiais, felicitando Van der Bellen nas redes sociais.

Liebe Freunde!

Ich danke Euch sehr herzlich für die großartige Unterstützung. Ich bin unendlich traurig, dass es… https://t.co/ebbyQUPDvG

— Norbert Hofer (@norbertghofer) 4 de diciembre de 2016

Numa entrevista conjunta com o seu adversário, frisou que, em democracia, o voto tem sempre razão:

“Disse sempre que o vencedor seria um bom vencedor e o perdedor um bom perdedor. E peço a todos aqueles que votaram por mim que aceitem que numa democracia o voto está sempre certo, sempre. E que no fim, temos todos que nos unir e trabalhar juntos. Isto é muito importante”.

A reconciliação de um leitorado dividido foi igualmente a preocupação de Van der Bellen nas suas primeiras declarações à televisão pública:

“Espero que quando as pessoas me encontrarem na rua ou no metro em Viena, daqui a seis anos, no fim do meu mandato presidencial, digam de mim ‘Este é o nosso presidente’. Não o presidente, mas o nosso presidente, de todos os austríacos.”

Hofer fez campanha contra as políticas migratórias de Bruxelas, defendendo um eventual referendo para a Áustria sair da União Europeia.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, acolheu a notícia da derrota de Hofer como “um bom sinal contra o populismo na Europa”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chanceler austríaco saúda Sunak pelo plano de deportação para o Ruanda

Josef Fritzl, que prendeu e violou a filha durante 24 anos, pode ser transferido para prisão normal

Rebenta na Áustria o maior escândalo de espionagem das últimas décadas