Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Donald Trump: A grande surpresa de 2016

Donald Trump: A grande surpresa de 2016
Tamanho do texto Aa Aa

O republicano Donald Trump surpreendeu o mundo ao ganhar a eleição presidencial nos Estados Unidos. Pondo fim às esperanças da candidata democrata Hillary Clinton, dada como favorita, Trump saboreou a vitória na noite de 8 de novembro.

“Acabei de receber um telefonema da secretária Clinton. Ela felicitou-nos, porque é a nossa vitória. Agora, é tempo de a América sarar as feridas da divisão. Temos que nos unir”, afirmou perante os seus apoiantes

Um discurso que muda de tom relativamente à campanha eleitoral, durante a qual Trump quebrou todos os códigos de debate e combate político. Os ataques contra Hillary Clinton foram feitos num nível bastante baixo : tratou-a, por exemplo, de “mulher desagradável” e garantiu-lhe que seria perseguida pela justiça se ele fosse eleito:

“É muito bom que alguém com o temperamento de Donald Trump não tenha a justiça do nosso país nas mãos”, afirmou Clinton durante um debate.

A resposta de Trump não se fez esperar:
“Porque você estaria na prisão!”

Chocante também foi a forma como Trump acusou os media e a candidata democrata de conspiração para manipular a eleição e a forma como pôs em causa a sua legitimidade para se candidatar após a divulgação do caso dos emails pessoais no tempo em que era secretária de Estado.

Num comício o candidato republicano declarou: “Em vez de estar a responder judicialmente, Hillary está a concorrer para presidente, o que faz parecer a muita gente que isto é uma eleição fraudulenta. A eleição está a ser manipulada por medias corruptos, que lançam falsas acusações e mentiras descaradas na tentativa de elegerem Hillary Clinton”.

Interferência russa na campanha?

Inédito na campanha foi também o momento em que Hillary Clinton acusou a Rússia de piratagem dos emails do Comité Nacional Democrata (DNC). “Estou muito preocupada com o que me foi dito de fontes credíveis, sobre a interferência do governo russo na nossa eleição … nunca tivémos um poder estrangeiro como adversário, envolvido no nosso processo eleitoral, como a piratagem do DNC. Nunca tivémos um candidato de um dos nossos maiores partidos a pedir aos russos para espiarem mais”.

Uma acusação rídicula, segundo Vladimir Putin, que denunciou uma manobra para distrair o eleitorado americano dos verdadeiros problemas do país como a violência policial e a dívida pública.
“Há alguém que pense realmente e seriamente que a Rússia é capaz de influenciar de alguma forma a escolha do povo americano? A América não é uma república de bananas. Ou é? Se estiver a dizer algo errado, por favor, corrijam-me”, respondeu.

Um mês depois da campanha, o presidente Barack Obama viu crescer a pressão por parte de vários congressistas e dirigentes democratas no sentido de autorizar o acesso aos documentos classificados sobre a eventual interferência da Rússia na campanha eleitoral dos Estados Unidos.

O balde de água fria dos democratas

E quando caiu o veredito da urnas, na noite de 8 para 9 de novembro, foi o balde de água fria. Inconsoláveis, os eleitores de Clinton sentem-se perdidos, após longos meses de uma batalha feroz. No entanto, a candidata derrotada faz dignadamente a saída de cena: “Constatámos que o nosso país está mais profundamente dividido do que pensámos mas continuo a acreditar na América e se vocês também acreditam, têm que aceitar este resultado e olhar para o futuro. Donald Trump vai ser o nosso presidente. Devemos ter abertura de espírito e dar-lhe a oportunidade de governar”.

Com este voto, a América encetou uma viragem radical. Obama está agora mais próximo de assistir ao cenário que recusava imaginar: como será o país governado por Donald Trump?