Marine Le Pen interrompida por ativista em topless

Marine Le Pen interrompida por ativista em topless
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Marine Le Pen, candidata da Frente Nacional, às presidenciais francesas, foi surpreendida, esta quinta-feira, durante uma conferência de imprensa, em Paris.

PUBLICIDADE

Marine Le Pen, candidata da Frente Nacional, às presidenciais francesas, foi surpreendida, esta quinta-feira, durante uma conferência de imprensa, em Paris.

A representante da extrema-direita gaulesa, e frente a uma plateia de apoiantes, jornalistas e diplomatas, foi interrompida por uma ativista do grupo Femen, em topless, quando discursava para uma plateia composta.

FEMEN vs FN! Féminisme contre populisme! pic.twitter.com/M7Ukk9NG63

— FEMEN (@Femen_France) 23 de fevereiro de 2017

Enquanto era retirada, à força, da sala, pelos seguranças, a jovem gritava “Marine, falsa feminista”.

MLP_officiel</a> ton féminisme est aussi fictif que tes emplois ! Merci de ne pas dévoyer notre combat ! <a href="https://twitter.com/hashtag/FEMEN?src=hash">#FEMEN</a> <a href="https://t.co/ntrRUx0yOe">pic.twitter.com/ntrRUx0yOe</a></p>&mdash; FEMEN (Femen_France) 23 de fevereiro de 2017

A líder da Frente Nacional passou por cima da situação, airosamente, afirmando, a sorrir, “o mundo como ele é e não como eu gostava que fosse”, uma ideia que defendida no momento em que foi interrompida, e ainda teve direito a aplausos.

À margem deste momento, inesperado, voltou a bater na tecla, o centro deste seu discurso, do fim da União Europeia, “o monstro burocrático“que “destrói a Europa das Nações”, como afirmou.

Quanto aos seguranças de Le Pen, são conhecidos pela “brutalidade”. A um de fevereiro, expulsaram à força, um jornalista do “Quotidien”, que colocava a Le Pen uma questão sobre o alegado emprego fictício na União Europeia.

Nous souhaitions simplement savoir si le garde du corps de Marine Le Pen avait eu un emploi fictif au Parlement européen ou non. #Quotidienpic.twitter.com/MVEHh4PZxn

— Quotidien (@Qofficiel) 1 de fevereiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal da Relação condena Sarkozy a um ano de prisão, com seis meses de pena efetiva

Parlamento francês aprova nova lei de imigração mais restritiva

Moldova denuncia esforços da Rússia para influenciar referendo sobre UE