EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Assalto inédito no Paraguai

Assalto inédito no Paraguai
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um assalto a uma empresa de valores pode ser o maior da história do Paraguai. As suspeitas recaem sobre um grupo brasileiro.

PUBLICIDADE

Um cenário de guerra, o assalto de 3 horas esta madrugada em Ciudad del Este, no Paraguai e fronteira com o Brasil.

Dezenas de homens invadiram e demoliram o edifício de uma empresa de valores, explodiram cofres e roubaram cerca de 35 milhões de euros.

Segundo Marcelo Saldivar, advogado da empresa, os protocolos de segurança foram cumpridos e não há indício de nenhum incumprimento por parte da companhia.

As suspeitas recaem sobre o Primeiro Comando da Capital, esquadrão criminoso brasileiro que controla o tráfico nas prisões em São Paulo e na chamada Tríplice Fronteira, entre Brasil, Paraguai e Argentina.

Na fuga, os assaltantes abateram um elemento do Grupo Especial de Operações da polícia paraguaia, dispararam metralhadoras e explodiram veículos à distância para impedir a perseguição.

O PCC foi responsável por um ataque similar em Fevereiro, em Pernambuco, Brasil, a uma outra empresa de valores.

Mega-assalto pode indicar que PCC assumiu controle da fronteira do Brasil com Paraguai https://t.co/4ImEE0bwt4pic.twitter.com/1AHjstraAN

— Estadão (@Estadao) April 24, 2017

Este já é chamado o maior assalto na história do Paraguai.

Três suspeitos de roubar transportadora no Paraguai são mortos. https://t.co/tKPJNy84QJpic.twitter.com/0amzSgUlhd

— O Globo Brasil (@OGloboPolitica) April 24, 2017

A Polícia Federal do Brasil está a cooperar com o Paraguai na perseguição aos assaltantes e já há novos desenvolvimentos com mais incidentes em território brasileiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novas imagens das operações do exército israelita em Gaza

Terraço do edifício que ruiu em Palma de Maiorca era ilegal

Mais de 2000 dados como mortos após deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné