Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Conservadores perdem vantagem na corrida para as legislativas pré-"Brexit"

Conservadores perdem vantagem na corrida para as legislativas pré-"Brexit"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os conservadores britânicos perdem vantagem nas sondagens, depois da primeira-ministra ter convocado eleições antecipadas para 8 de Junho.

Segundo três estudos de opinião, publicados este domingo, os “tories” mantêm-se à frente nas intenções de voto, mas com uma vantagem de 11 a 13 pontos face aos trabalhistas, inferior aos 23 a 25 pontos que os separavam há uma semana.

Segundo a mais recente sondagem YouGov para o Sunday Times, os Conservadores contam com 44% de intenções de voto (-4%), face a 31% para os Trabalhistas (+6%).

Um desafio acrescido para Theresa May que espera poder reforçar, nas urnas, a sua maioria e o peso nas negociações do “Brexit”.

May deslocou-se no sábado a Aberdeen, na Escócia, para apelar à união, quando rejeita um segundo referendo à independência do território.

Trata-se da primeira deslocação de campanha da primeira-ministra ao território.

“Neste momento deveríamos estar a trabalhar juntos e não separados, E é por isso que digo que cada voto em mim e na minha equipa será um voto para reforçar o nosso peso nas negociações do Brexit”, afirmou May.

A primeira-ministra aposta também nos temas sociais, como a proteção dos direitos dos trabalhadores, para tentar consolidar a sua maioria no parlamento.

Uma estratégia criticada pelo líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn:

“Os conservadores preferem fazer promessas incríveis sobre o futuro do Reino Unido fora da União Europeia. Em vez de falar da lista de promessas quebradas preferem ignorar o que se passou nos últimos sete anos”.

A campanha é marcada também pelo apoio de Bruxelas a uma eventual adesão da Irlanda do Norte à UE, em caso de reunificação com a Irlanda.

Uma possibilidade remota evocada ontem por Dublin, durante o Conselho Europeu de Bruxelas, quando a Escócia mantém o projeto de convocar um referendo à independência, dentro de dois anos, após o fim das negociações do “Brexit”.