EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ciberataques: Kiev fala em "pista russa"

Ciberataques: Kiev fala em "pista russa"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia foi, no entanto, também atingida pelo ciberataque mundial que começou terça-feira.

PUBLICIDADE

Com AFP

Um conjunto de ciberataques, do mesmo género registado em maio passado, com o vírus conhecido como WannaCry, afetou várias multinacionais e serviços na Europa e nos Estados Unidos, depois de registadas várias ocorrências na Rússia e na Ucrânia.

Especialistas em segurança informática e digital dizem que se trata do vírus Petrwarp, uma versão modificada do Petya, utilizado num ataque levado a cabo também em 2016.

Terça-feira à tarde, o ataque fez com que a petrolífera russa Rosneft se visse obrigada a utilizar servidores alternativos. A central nuclear ucraniana de Chernobyl empregou métodos definidos como “manuais” na gestão dos níveis de radioatividade.

Ataque “sem precedentes” na Ucrânia

Volodymyr Groïsman, o primeiro-ministro ucraniano, falou num ataque “sem precedentes” no país. Explicou que vários bancos passaram por dificuldades, assim como o metro de Kiev e o aeroporto internacional da capital.

O ataque com um software maligno causou ainda perturbações na dinamarquesa Maersk e chegou mesmo a provocar cortes de corrente nas alimentares Lu e Oreo.

A norte-americana Microsoft diz que os ataques podem ser levados a cabo de diversas formas, aproveitando, por exemplo, uma falha no sistema Windows, que o grupo afirma já ter corrigido.

As empresas alvo deste último ciberataque dizem que o vírus faz com que surja, nos ecrãs, um pedido de resgate de 300 dólares em moeda virtual.

Suspeitas por confirmar

O vírus WannaCry afetou milhares de computadores no mundo todo, chegando mesmo a paralizar o sistema informático do Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) do Reino Unido, assim como fábricas da francesa Renault.

A norte-americana Symantec lançou então suspeitas sobre um grupo de piratas informáticos do grupo Lazarus, suspeitos de ligações à Coreia do Norte.

Neste caso, as autoridades ucranianas dizem que este “ciberataque em massa” levam até o que definiram como “uma pista russa”, ainda que o país em causa também tenha sido atingido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Desmantelado o maior grupo de "ransomware" do mundo

Ciberataque global: Governos e empresas são os alvos

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa