Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Ciberataques: Kiev fala em "pista russa"

Ciberataques: Kiev fala em "pista russa"
Tamanho do texto Aa Aa

Com AFP

Um conjunto de ciberataques, do mesmo género registado em maio passado, com o vírus conhecido como WannaCry, afetou várias multinacionais e serviços na Europa e nos Estados Unidos, depois de registadas várias ocorrências na Rússia e na Ucrânia.

Especialistas em segurança informática e digital dizem que se trata do vírus Petrwarp, uma versão modificada do Petya, utilizado num ataque levado a cabo também em 2016.

Terça-feira à tarde, o ataque fez com que a petrolífera russa Rosneft se visse obrigada a utilizar servidores alternativos. A central nuclear ucraniana de Chernobyl empregou métodos definidos como “manuais” na gestão dos níveis de radioatividade.

Ataque “sem precedentes” na Ucrânia

Volodymyr Groïsman, o primeiro-ministro ucraniano, falou num ataque “sem precedentes” no país. Explicou que vários bancos passaram por dificuldades, assim como o metro de Kiev e o aeroporto internacional da capital.

O ataque com um software maligno causou ainda perturbações na dinamarquesa Maersk e chegou mesmo a provocar cortes de corrente nas alimentares Lu e Oreo.

A norte-americana Microsoft diz que os ataques podem ser levados a cabo de diversas formas, aproveitando, por exemplo, uma falha no sistema Windows, que o grupo afirma já ter corrigido.

As empresas alvo deste último ciberataque dizem que o vírus faz com que surja, nos ecrãs, um pedido de resgate de 300 dólares em moeda virtual.

Suspeitas por confirmar

O vírus WannaCry afetou milhares de computadores no mundo todo, chegando mesmo a paralizar o sistema informático do Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) do Reino Unido, assim como fábricas da francesa Renault.

A norte-americana Symantec lançou então suspeitas sobre um grupo de piratas informáticos do grupo Lazarus, suspeitos de ligações à Coreia do Norte.

Neste caso, as autoridades ucranianas dizem que este “ciberataque em massa” levam até o que definiram como “uma pista russa”, ainda que o país em causa também tenha sido atingido.