Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Caos institucional na Venezuela

Caos institucional na Venezuela
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Venezuela está mais dividida do que nunca. Em confronto duas assembleias: o parlamento eleito e a assembleia constituinte que assumiu funções no fim-de-semana.

Os deputados do parlamento garantem que não reconhecerão nunca a assembleia constituinte. O impasse é total e a tensão não pára de crescer.

O deputado da oposição, Jose Manuel Olivares, afirma: “esta assembleia nacional legislou para resolver os problemas das pessoas. Esta farsa de constituinte o que fará é resolver o problema político de Maduro, para distribuir quotas, distribuir cargos para seguir gerindo um país de ódio e confrontação”

Os apoiantes de Maduro também fazem ouvir as suas vozes nas ruas e na nova assembleia constituinte, como é o caso de Diosdado Cabello, o dirigente socialista nomeado para este órgão:

“Os da direita continuam a atacar-nos mas nós continuamos a trabalhar e a avançar. Quanto às decisões tomadas, é importante que o país saiba que todas seguem estritamente a legislação da constituição de 1999”.

Mas para a oposição, esta assembleia é ilegal, assim como é ilegal a nomeação de um novo procurador da república pela assembleia constituinte. Os deputados do parlamento não tencionam reconhecer o substituto da procuradora demitida, Luisa Ortega Diaz.

A oposição continuam a apelar ao boicote à nova constituinte. O MUD, que agrupa os principais partidos opositores ao regime, apelou ao bloqueio das ruas de Caracas esta terça-feira.

Esta segunda-feira, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) anunciou a lista dos partidos que podem inscever-se para as eleições regionais de dezembro e proíbe a coligação da oposição de se apresentar em 7 dos 23 estados do país.