EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Lisboa candidata-se a programa europeu de rastreio espacial

Lisboa candidata-se a programa europeu de rastreio espacial
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A ser aprovada a candidatura, Portugal participa em áreas tecnologicamente diferenciadas no âmbito Europeu.

PUBLICIDADE

Com Lusa

Portugal candidatou-se a um programa europeu que visa detetar e prever a trajetória de objetos em órbita da Terra, como satélites operacionais ou lixo espacial.

A candidatura ao programa “Space Surveillance and Tracking (SST, Vigilância e Rastreio Espacial) foi apresentada esta semana em coordenação entre o Ministério da Defesa, o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, a Presidência do Conselho de Ministros e os Governos Regionais dos Açores e da Madeira.

Segundo a agência espacial europeia ESA, o lixo espacial constitui “uma das principais ameaças aos sistemas de satélite”, dos quais dependem serviços de telecomunicações, meteorologia ou transportes.

Mais de 700 mil detritos em órbita

A ESA estima que mais de 700 mil detritos estejam na órbita terrestre e possam danificar ou destruir os satélites que ainda estão ativos.

A ser aprovada a candidatura, a participação de Portugal no SST permitirá capacitar o país em áreas e tecnologicamente diferenciadas, segundo o Governo.

O programa europeu, para o qual foi atribuído um financiamento global de cerca de 190 milhões de euros, possibilita a criação de uma rede cooperativa europeia capaz de *seguir trajetórias de objetos, sejam satélites ou lixo espacial.

Vigiar atividades de satélites não-europeus

De acordo com o ministério, o SST visa reduzir o risco de colisão com objetos durante as missões espaciais, calcular a pegada destruidora na superfície da Terra em caso de reentrada dos objetos na atmosfera e vigiar a atividade dos satélites não-europeus.

O programa, ao qual aderiram países como Alemanha, França, Reino Unido, Países Baixos e Espanha arranca, em termos práticos, em 2018.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Indústria espacial europeia deve liderar na monitorização do clima

Portugal celebra 50 anos do 25 de Abril

Agricultores portugueses manifestam-se esta quinta-feira por "condições mais justas"