A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

ONG revela imagens de 214 aldeias Rohingya devastadas pelo exército

ONG revela imagens de 214 aldeias Rohingya devastadas pelo exército
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As organizações humanitárias internacionais acusam a líder do Myanmar de fechar os olhos à perseguição da minoria muçulmana Rohingya. A ONG Human Rights Watch (HRW) publicou imagens de satélite captadas há três dias no estado de Rakhine, que mostram nove das 214 aldeias devastadas durante a ofensiva do exército birmanês iniciada em Agosto.

A organização acusa o governo do Myanamar de praticar uma política de “terra queimada” na região, com pilhagens, fogo posto e casos de violência sexual, para evitar o regresso dos mais de 400 mil refugiados que abandonaram o país em menos de um mês. As imagens mostram povoações como Maungdaw e Rathedaung, destruídas a mais de 90%.

“Trata-se de uma viagem sem regresso para o Bangladesh e eles não serão autorizados a regressar ao Myanamar. As pessoas estão a dizer, não só que foram perseguidas para fora das aldeias sob os disparos dos militares e da polícia, mas também que várias pessoas das aldeias envolventes estão a pilhar e a incendiar as suas aldeias, à medida que os refugiados abandonam o estado de Rakhine”, afirma Phil Robertson da HRW.

Para David Miliband, presidente do Comité Internacional de Resgate:

“Na semana em que a Assembleia Geral da ONU se reúne em Nova Iorque penso que é muito importante que tome uma posição unânime sobre o respeito dos direitos humanos e a proteção das minorias, e sobre a necessidade de enviar ajuda humanitária para a região. Tem que se exigir que as normas humanitárias sejam respeitadas no Myanmar como em qualquer outro país. É importante que a complexidade política de um país não ponha em casa os direitos fundamentais. Estes desastres humanitários são o combustível de mais radicalização que é o tema que deverá dominar as próximas reuniões da ONU se a organiza4ão não intervir imediatamente”.

O chefe da missão de investigação da ONU para o Myanmar, Marzuki Darusman, exigiu hoje um acesso ilimitado ao país para verificar a dimensão dos abusos que teriam provocado cerca de um milhar de mortos desde o início da operação “anti-terrorista” contra os militantes armados Rohingya que reivindicaram um ataque contra vários quartéis militares no dia 25 de Agosto. Darusman sublinhou ainda que os inspetores da ONU vão debruçar-se também sobre os relatos de que os militares birmaneses teriam minado a zona fronteiriça entre o Myanmar e o Bangladesh, a rota utilizada por dezena de milhares de refugiados nas últimas semanas. A missão vai igualmente investigar a “progaganda” oficial que compara os Rohingya a uma “peste”.