EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Aumenta número de mortos na Califórnia

Aumenta número de mortos na Califórnia
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os incêndios, devastadores, que lavram, na Califórnia, Estados Unidos, desde domingo, já fizeram, pelo menos, 17 mortos.

PUBLICIDADE

Os incêndios, devastadores, que lavram, na Califórnia, Estados Unidos, desde domingo, já fizeram, pelo menos, 17 mortos. Há cerca de 150 desaparecidos, 2000 casas e estabelecimentos comerciais destruídos e 46.500 hectares de floresta consumidos pelas chamas, nos 17 incêndios que alastraram por nove condados do norte da Califórnia.

Para muitos é o momento de repensar o futuro:

“Estamos a tentar ver o que podemos salvar. O nosso plano é guardar essas coisas e quando reconstruímos, elas serão lembranças do que vivemos e de que superámos a adversidade”, diz um residente.

No condado de Sonoma pelo menos 25 mil pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas. A situação repetiu-se noutros lugares ameaçados pelas chamas. Houve quem quisesse esperar até ao último minuto e vivesse situações dramáticas:

“Atirámos o carro contra a cerca, destruímo-la, passámos pelas chamas, descendo Aurora Lane, que ardia de ambos os lados. As vinhas estavam a arder, dos dois lados… Não se via nada, felizmente conhecemos a estrada…”, adianta uma habitante de uma das áreas afetadas.

De acordo com os serviços de emergência, os ventos estão menos fortes o que, a par com a descida das temperaturas, permitiu aos bombeiros progredir no combate às chamas na última noite. Os incêndios Tubbs e Atlas, mais de 10.000 hectares consumidos, em cada um deles, são os de maiores dimensões e continuam ativos e ainda fora controlo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos

Mike Pence: "A maioria dos norte-americanos acredita no nosso papel de líderes do mundo livre"