Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A diversidade do acesso à nacionalidade na UE

A diversidade do acesso à nacionalidade na UE
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Em termos de acesso à nacionalidade, Portugal é o país mais avançado das cerca de três dezenas de nações desenvolvidas na última avaliação do MIPEX, o Índice de Políticas de Integração de Imigrantes.

O princípio do chamado direito de solo sobrepõe-se ao de sangue e, por isso, em geral, podem naturalizar-se filhos de estrangeiros nascidos em solo português, desde que um dos progenitores resida legalmente no país há mais de 5 anos.

No entanto, a legislação europeia não foi harmonizada, uma vez que as realidades são muito diversas. Na Alemanha, é como em Portugal, mas exige-se residência há 8 anos. Em França e Espanha, por exemplo, o direito de solo duplica: os filhos obtêm a nacionalidade se um dos progenitores já a tiver adquirido.

As tentativas de aproximar Itália destes cenários têm sucessivamente falhado.