Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Comunidade internacional rejeita reconhecer independência catalã

Comunidade internacional rejeita reconhecer independência catalã
Tamanho do texto Aa Aa

Sucederam-se as reações internacionais à declaração de independência da Catalunha e à consequente reação do governo espanhol em suspender o executivo da “Generalitat” até novas eleições.

O presidente do Conselho Europeu garantiu que para a União Europeia nada muda. “Espanha continua a ser o nooso único interlocutor”, escreveu Donald Tusk pelo Twitter, desejando que o governo de Mariano Rajoy privilegie “a força dos argumentos e não o argumento da força.”

Uma poisção defendida também já esta semana por Jean-Claude Juncker. O presidente da Comissão Europeia afirmou à RTP que a crise da Catalunha não é um problema de direitos humanos porque “os catalães não estão a ser oprimidos pela Espanha”. “Cabe aos espanhóis resolver este problema”, disse Juncker.

O presidente francês, por seu turno, telefonou a Mariano Rajoy. Emmanuel Macron manifestou ao homólogo “o apoio da França à unidade constitucional de Espanha”.

O governo alemão emitiu um comunicado rejeitando reconhecer a declaração de independência da Catalunha, esperando que esta crise espanhola não degenere em violência.

Também pelo Twitter, o primeiro-ministro belga apelou ao “diálogo” e a “uma solução pacífica com respeito pela ordem nacional”.

Tal como havia feito com Donald Tusk, Carles Puigdemont, o líder do governo regional catalão, respondeu a Charles Michel e sublinhou que “os catalães sempre preferiram o diálogo na busca de soluções.”

Em italiano, surgiu a reação do eurodeputado socialista Gianni Pittella afirmando ser “um dia triste para a europa” e expressando solidariedade pelos socialistas e o povo espanhol em geral.

Também o Departamento de Estado norte-americano rejeitou reconhecer a independência catalã e manifestoiu apoio ao governo espanhol.