Última hora

Última hora

Milhares de romenos prosseguem luta contra reforma da Justiça

Milhares de romenos prosseguem luta contra reforma da Justiça
Tamanho do texto Aa Aa

Cerca de 12 mil pessoas voltaram a manifestar-se este domingo, na praça Vitória, frente à sede do governo, em Bucareste, em protesto contra a reforma da Justiça prevista pelo governo social-democrata da Roménia.

O jornalista e bloguista, Lucian Mîndruta, explica que esta reforma não fazia parte do programa eleitoral dos que governam: "As pessoas aqui pensam que o governo, a coligação no poder, deveria ter dito o que tencionava fazer com a Justiça, deviam ter dito antes de ganharem a eleição. Nós queremos manter este sistema de justiça, queremos restringir as liberdades deles, queremos continuar com procuradores independentes. Se as pessoas soubessem, não ganhariam a eleição tão facilmente".

Presença constante nestas manifestações tem sido a do antigo primeiro-ministro, Dacian Ciolos, que diz que a única opção da sociedade civil é reagir nas ruas: "O ataque às leis da justiça continua. Não posso chamar a isto um debate ou uma decisão. Trata-se de um ataque quando não há nem sequer um debate no parlamento, quando a oposição é forçada a manifestar assim a sua opinião. Isto não é democracia".

Sem a intervenção do presidente, os deputados da maioria preparam-se para aprovar, esta terça-feira, a reforma, que visa colocar o poder judicial sob o controlo do poder político.

Para além de Bucareste, houve manifestações nas principais cidades romenas. Os slogans reptem-se: “Demissão do governo”; “Ladrões”; “Justiça não é corrupção” ou “Eleições imediatas”.

Desde o início do ano que o governo tenta alterar o sistema de justiça. A primeira tentativa foi por decreto, mas face à reação dos romenos, o governo enviou a lei ao parlamento, sem grandes alterações.

A Comissão Europeia tem alertado constantemente as autoridades romenas para o facto de mudanças previstas no sistema de justiça porem em causa o estado de Direito no país; o Departamento de Estado norte-americano apela ao parlamento de Bucareste para que rejeite a proposta de lei que vai “pôr em causa o estado de Direito e dificultar o combate à corrupção”.