Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Justiça diz que acordo com credores da Borsalino não é de tirar o chapéu

Justiça diz que acordo com credores da Borsalino não é de tirar o chapéu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O conhecido fabricante de chapéus Borsalino deverá fechar as portas, depois da Justiça italiana ter rejeitado um acordo entre os gestores da empresa e os credores.

O anúncio foi feito pelos sindicatos dos trabalhadores, ainda que não tenha sido divulgado qualquer comunicado oficial sobre a decisão da parte dos gestores.

Foi a segunda vez que a Justiça italiana rejeitou um acordo para salvar a Borsalino, depois de ter tomado a mesma decisão há cerca de um ano.

Agora, os mais de 130 trabalhadores da empresa enfrentam um futuro mais do que incerto, depois de meses a aguardarem por mais uma decisão dos tribunais. 

Aguardavam por um novo plano de relançamento do centro de produção, que não teve lugar.

Produção de vento em popa

A verdade é que a produção da Borsalino, situada perto da cidade de Alessandria, tem registado números animadores nos últimos tempos, com lucros registados na ordem dos 17 milhões de euros.

Mas a recente decisão do tribunal pode mudar tudo. 

Entre as razões para o possível fecho da Borsalino, o facto do antigo patrão da empresa, Marco Marenco, ter sido acusado de declaração fraudulenta de bancarrota em várias empresas.

Calcula-se que o fisco italiano terá sido prejudicado e três mil milhões de euros, entre dívidas por pagar a diferentes bancos e um caso de evasão fiscal.

Marco Marenco chegou a ser detido e passou algum tempo na prisão, mas aguarda agora julgamento em liberdade, depois de ter confessado responsabilidade em algumas das acusações que lhe são feitas.

Depois da saída de Marenco, a Haeren Equita assumiu a gestão da Borsolino.