Última hora

Última hora

Macron diz que bombardeamentos na Síria foram legítimos

Macron diz que bombardeamentos na Síria foram legítimos
Tamanho do texto Aa Aa

Emmanuel Macron deu uma entrevista de quase três horas a uma televisão francesa, depois dos bombardeamentos coordenados entre Paris, Londres e Washington na Síria.

O presidente francês defendeu a legitimidade da operação, que teve lugar depois do alegado ataque com recurso a armas químicas que terá sido levado a cabo pelas forças do presidente sírio, Bashar al-Assad.

"Atingimos, de forma extremamente precisa, zonas onde se produziam armas quimicas, que são proibidas plo Direito Internacional. E não houve qualquer dano colateral em relação aos russos," disse Emmanuel Macron."

Macron disse também que tinha convencido o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, da importância de manter tropas na Síria e de que os ataques deveriam ser limitados:

"Há 10 dias, o presidente Trump dizia que os Estados Unidos deveriam deixar o terreno na Síria. Mas convencêmo-lo de que era melhor permanecer no terreno. E fomos capazes de convencê-lo de que era importante limitar os bombardeamentos aos locais onde se produzem armas químicas."

Mais de 100 mísseis sobre solo sírio

Horas depois da entrevista, no entanto, a Casa Branca frisou que o presidente Trump mantinha a intenção de ordenar o regresso das tropas norte-americanas a casa o mais depressa possível.

O Reino Unido, França e os Estados Unidos lançaram, no sábado, mais de 100 mísseis sobre zonas do território sírio controlado por Bashar al-Assad, alegando tratar-se de infraestruturas destinadas à produção de armas químicas.

O ataque foi duramente criticado pelas potências regionais, como a Federação Russa e a China. Vladimir Putin, presidente russo, disse que a iniciativa poderia ter "graves consequências."

A bombardeamento foi trambém alvo de protestos em várias cidades europeias, de Londres a Atenas. Tanto no Reino Unido como em França, a oposição criticou o Governo.

Chegaram também críticas do irão. O líder supremo da República Islâmica, o ayatollah Ali Khamenei falou num ataque "criminoso."