Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A perversidade da globalização

A perversidade da globalização
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quando se recebe um convite de uma ONG prestigiosa para assistir a um debate sobre a perversidade da globalização, fica-se com vontade de ouvir tudo com atenção.

Especialmente numa altura em que as mudanças climáticas, o aumento das desigualdades e da pobreza deixam as pessoas inquietas em relação à globalização.

A Euronews foi convidada a assistir ao Fórum Crans Montana, em Bruxelas. Centenas de personalidades do mundo da política, dos negócios e das organizações internacionais reuniram-se para debater, sem tabus, o estado do mundo.

"A globalização é, em si própria, perversa. Deixa de de haver fronteiras, tudo é livre e aberto, os mercados autorregulam-se. Mas isso não é verdade! Na maioria dos países que sofrem as consequências da globalização, assistimos ao regresso dos movimentos de direita e do nacionalismo", afirmou Jean-Paul Carteron, presidente honorário e fundador do Fórum Crans Montana.

O evento contou com participantes de vários países africanos. Para o antigo presidente do Mali, as nações mais pobres, que nunca viram as vantagens da globalização, sentem-se injustiçadas.

"É óbvio que as riquezas do mundo estão mal distribuídas. Há uma minoria que possui o essencial da riqueza e uma maioria que vive na miséria", sublinhou Dioncounda Traoré.

O papel da globalização nas mudanças climáticas

As mudanças climáticas foram outro dos temas em debate. O risco de desaparecimento de ilhas inteiras é uma das consequências mais dramáticas do aumento da temperatura global associada às atividades económicas humanas.

Concretamente, a subida do nível do mar ameaça a existência do arquipélago de Quiribáti. O antigo presidente das ilhas situadas no Oceano Pacífico aponta o dedo ao atual modelo económico baseado na exploração intensiva de recursos e na destruição dos ecossistemas.

"As mudanças climáticas e a globalização andam de mãos dadas, devido à industrialização, à ideia de que é preciso acumular recursos e arrecadar muitos lucros, mesmo que isso prejudique o ambiente", criticou Teburoro Tito.

Uma conselheira do Quénia falou do papel e da responsabilidade dos meios de comunicação digitais e das redes sociais.

"O Facebook, o Twitter, o YouTube e todas as plataformas digitais devem assumir o seu papel e a sua responsabilidade no palco mundial", afirmou Ogutu Okudo, conselheira do governo do Quénia para a região de Siaya.

Num mundo onde "o direito do mais forte" tende a impor-se, muitos participantes esperam que a União Europeia possa ser uma garantia de multilateralismo na política internacional.

"O multilateralismo está a ser posto em causa e a Europa é o último bastião para protegê-lo", sublinhou Lilyana Pavlova, ministra do desenvolvimento regional da Bulgária.

O Fórum Crans Montana foi criado nos anos 80 com objetivo de contribuir para um mundo melhor. A vigésima nona edição do encontro decorreu a 28 de junho em Bruxelas.