Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bruxelas acusa Hungria de violar lei do asilo

Bruxelas acusa Hungria de violar lei do asilo
Direitos de autor
REUTERS/Axel Schmidt/File Photo
Tamanho do texto Aa Aa

A Hungria poderá ter de responder junto do Tribunal de Justiça da União Europeia por violação da legislação comunitária sobre asilo. O processo de infração aberto, quinta-feira, pelo executivo comunitário, prende-se com novas medidas para travar o acolhimento de refugiados no país.

Contrariamente a Bruxelas, a Hungria considera que a migração é uma questão de segurança

Péter Szijjártó Ministro dos Negócios Estrangeiros, Hungria

"A Comissão Europeia enviou uma carta de notificação formal à Hungria relativa à nova legislação, incluindo a alteração constitucional que criminaliza atividades de apoio aos requerentes de asilo e que restringe ainda mais o direito de pedir asilo", explicou Natasha Berthaud, porta-voz da Comissão Europeia, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

A nova legislação também viola as regras sobre deportação por não dar garantias suficientes de recurso aos migrantes.

O governo húngaro, um dos mais nacionalistas e anti-migração da União Europeia, abandonou, recentemente, o Pacto Global sobre Migração da ONU e promete não recuar.

"Contrariamente a Bruxelas, a Hungria considera que a migração é uma questão de segurança. Defender a segurança da Hungria e do povo húngaro é a nossa prioridade. Vamos defender essa prioridade na nossa fronteira a sul e, também, em Bruxelas. Estamos prontos para lutar contra este procedimento, estamos prontos para a batalha legal", disse Péter Szijjártó, ministro dos Negócios Estrangeiros, em conferência de imprensa, em Budapeste.

A Hungria tem dois meses para responder à carta e fazer alterações. Caso contrário, o país terá de responder perante o Tribunal de Justiça da União Europeia e, se perder, poder sofrer sanções financeiras.