Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Alexei Pushkov: "Sanções são tática, relações a longo prazo são estratégia"

Alexei Pushkov: "Sanções são tática, relações a longo prazo são estratégia"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A propósito do encontro entre Vladimir Putin e Viktor Orbán, a euronews conversou com Alexei Pushkov, senador e professor de Relações Internacionais.

"Penso que estas conversações têm um valor simbólico. Têm um valor político, sobretudo em tempos de crise entre Budapeste e Bruxelas, e uma importância bilateral. O mundo não vai parar por causa das sanções europeias contra a Rússia. Penso que, mesmo se estas sanções forem duradouras, não deixam de ser temporárias. As relações entre a Rússia e a Hungria são relações a longo prazo e vão continuar, independentemente das políticas da União Europeia para com a Rússia. Penso que o senhor Orbán está a escolher a estratégia em vez da tática. As sanções são uma tática. Relações a longo prazo entre Moscovo e Budapeste são uma estratégia. Penso que é por isso que ele vem a Moscovo nesta altura e é essa a razão dos contactos constantes entre o Sr Orbán e a administração russa".

"A Rússia tem uma política de manter boas relações bilaterais com os membros da União Europeia que estão interessados nessas relações. A Hungria não é exceção. Foi um nosso aliado, no tempo da União Soviética, e é um parceiro de longa data. É um país no centro da Europa e que pode tornar-se num importante centro de distribuição de gás na Europa, sendo que a Rússia é um importante fornecedor de gás. A Hungria é um país que tem feito um apelo firme a que as sanções contra a Rússia sejam reconsideradas e, com certeza, isso é algo que temos em atenção. Por isso sim, a Hungria é importante, mas quero realçar que há outros países com os quais temos relações bilaterais positivas, mesmo nesta altura de crise nas relações com a União Europeia. Posso falar, por exemplo, da Finlândia, da Itália e da Áustria"