Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

May tenta convencer Câmara dos Comuns

May tenta convencer Câmara dos Comuns
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Brexit joga-se em várias frentes mas o grande desafio para Theresa May é mesmo interno. A hostilidade da Câmara dos Comuns não abala a primeira-ministra britânica, que defende o acordo com Bruxelas com unhas e dentes de mantém a esperança de o conseguir aprovar no parlamento:

"Por todo o país as pessoas votaram para sair da União Europeia. Votaram para acabar com a livre circulação e o nosso acordo acaba com a livre circulação. Votaram para acabar com a jurisdição do Tribunal de justiça da União Europeia no Reino Unido e o nosso acordo acaba com a jurisdição do Tribunal Europeu. Votaram para deixarmos de enviar somas exorbitantes todos os anos para a União Europeia... mas a União Europeia irá continuar a ser um parceiro comercial. Queremos continuar a ter uma boa relação comercial com eles e ter uma política comercial independente."

Contestada dentro do próprio partido, Theresa May está obrigada a procurar apoio na oposição para aprovar o documento... o que parece ser missão impossível.

Jeremy Corbyn, como é habitual, arrasou a primeira-ministra:

"Em vez de dar confiança a milhões de pessoas que votaram, quer para sair, quer para ficar, este acordo remendado não dá nenhuma esperança que o país volte a ficar unido. Sendo esse o caso, o parlamento deverá rejeitá-lo. É um mau acordo e se o governo não consegue negociar uma alternativa, então deveria dar lugar a quem fosse capaz de o fazer."

O nervosismo no parlamento cresce de dia para dia. A última preocupação prende-se com uma possível cedência a Espanha no caso de Gibraltar.

May não se deixou ficar e afirmou que o território estava incluído nas negociações de saída e que sempre procuraram um acordo que funcionasse para toda a família do Reino Unido, incluindo Gibraltar.