EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Casa Anne Frank reabre ao público

Casa Anne Frank reabre ao público
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reabriu ao público, com novos detalhes num espaço que antes estava vazio, a Casa Anne Frank, em Amesterdão.

PUBLICIDADE

O seu rosto é um dos mais emblemáticos do Holocausto. Carismático, por um lado, assombroso por outro. Foi neste espaço, transformado em museu - a Casa Anne Frank, que agora reabre ao público - num anexo, que a menina se escondeu com a família, tentando fugir à perseguição nazi. À sua trágica história foram acrescentados novos detalhes:

"Quisemos preservar o essencial da Casa, ou seja o vazio que existia nela. Acho que esse vazio é, provavelmente, a característica mais poderosa da Casa de Anne Frank. E, é claro, não mudámos o esconderijo, o anexo, o lugar mais autêntico, onde Anne Frank estava escondida e onde escreveu o diário", refere Ronald Leopold, diretor executivo do museu.

Pequenas mudanças, aqui e ali. O museu, localizado em Amesterdão, tem agora disponível uma visita através de audioguia. Uma viagem por fragmentos do seu diário e com histórias da sua família:

"O museu esteve sempre vazio, esse foi um desejo, muito especifico de Otto Frank. De que os quartos, no anexo secreto, ficassem vazios. E nós adicionámos, cuidadosamente, fotos, objetos, vídeos, mas não o enchemos de coisas", adianta Garance Reus-Deelder, outra responsável do museu.

Mesmo vazio, o museu atraiu sempre um número enorme de visitantes. A missão da instituição é garantir que a história de Anne Frank não seja esquecida:

"Queremos a nova geração a visitar a "Casa Anne Frank", porque uma de nossas metas educacionais é ensinar jovens, inspirar jovens a assumirem responsabilidade por uma sociedade aberta e democrática", explica a responsável do museu.

Foi aqui que Anne escreveu o seu diário, publicado pelo seu pai depois da guerra, e que no ano passado foi transformado em filme, e que relata os horrores da ocupação nazi aos olhos de uma criança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ABBA World, uma nova exposição em Malmö

No Museu da Comida Nojenta em Berlim há iguarias para (mesmo) todos os gostos

Depois de Avdiivka, russos apontam a Selydove. "São mais de 30 bombardeamentos por noite"