Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Theresa May criticada em Westminster pelo esboço do "Brexit"

Theresa May criticada em Westminster pelo esboço do "Brexit"
Direitos de autor
REUTERS/Simon Dawson
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma sorridente Theresa May apresentou esta quinta-feira à tarde o novo esboço da declaração política acordada esta semana com a União Europeia como base para o texto final do "Brexit". A resposta da oposição dá, contudo, espaço a poucos sorrisos.

O líder do Partido Trabalhista considera que este novo esboço de acordo para a saída do Reino Unido da união Europeia a 29 de março como "26 páginas cheias de nada".

"Há pouco mais de um ano foi-nos dito que iríamos ter um acordo comercial no final deste processo. Liam Fox disse mesmo que seria o mais fácil da história da humanidade. Afinal, temos 26 páginas cheias de nada", afirmou Jeremy Corbyn, pouco depois da primeira-ministra ter apresentado de viva voz na Casa dos Comuns, o esboço do acordo.

Corbyn alega que o documento está repleto de frases como "iremos olhar para" ou "iremos explorar", acusando o governo conservado de ter conseguido menos do que uma página de texto por cada mês que passou desde o referendo do "brexit" realizado no final de junho de 2016.

"Ao invés de se preocupar mais com o emprego, o governo está mais interessado em enviar mensagens subliminares sobre imigração", acusou ainda o líder trabalhista, para quem a saída britânica da Política Comum de Pescas deixa entender a entrada num outro acordo comum para as águas britânicas -- um dos temas mais fraturantes do lado britânico.

Na resposta ao líder da oposição, Theresa May defendeu que o texto do novo pré-acordo está muito mais detalhado do que acusa Corbyn e que, no caso das pescas, o Reino Unido irá negociar um novo acordo anual sobre o acesso às respetivas águas.

França Holanda e Dinamarca são dos Estados-membros mais preocupados com a eventual perda de acesso à zona económica exclusiva do Reino Unido. Do lado britânico, os pescadores receiam que o governo de May conceda nessa exclusividade em benefício de outros setores económicos britânicos.

A primeira-ministra garantiu na primeira apresentação ao Parlamento deste novo esboço do acordo que o acesso às águas britânicas não seria usado como moeda de troca em negociações alheias.

Na resposta a Corbyn, May deixa implícito a perda de benefícios do Reino Unido existente na atual associação à União Europeia.

Ainda fresca na memória está por exemplo a recente "guerra das vieiras" devido ao acesso de pescadores britânicos a águas franceses numa altura em que os locais ainda não podiam proceder a apanha deste molusco. O "brexit", sem um acordo sobre o tema, impede os barcos britânicos de aceder às águas francesas.

Questionada pela antiga ministra conservadora Justine Greening, uma confessa pró-Europa, se uma eventual rejeição pelo Parlamento deste pré-acordo do "Brexit" se o governo estaria preparado para apresentar uma proposta alternativa ou até mesmo um novo referendo, a primeira-ministra escudou-se no referendo de 2016.

Os deputados aprovaram a realização do referendo e o povo decidiu-se pela separação da União Europeia, por isso, os políticos devem preocupar-se apenas em cumprir o desejo do povo, disse a chefe de Governo.

Theresa May assumiu-se porta-voz dos britânicos e garantiu que o povo agora pretende apenas que os políticos comecem a olhar para o futuro do país pró-"Brexit" e que deixem de empatar o processo.

A primeira-ministra espera estar a dar os derradeiros passos no processo de acordo entre Londres e Bruxelas e conta ver a ratificação do pré-acordo, no domingo, pelos 27 Estados-membros da União Europeia, numa cimeira de líderes, em que May estará presente apenas como parte interessada.

Com essa ratificação dos ainda parceiros europeus, ficará apenas a faltar a discussão e aprovação do documento, em dezembro, no Parlamento britânico.