A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Bruxelas ouve May, mas rejeita renegociar Brexit

Bruxelas ouve May, mas rejeita renegociar Brexit
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Entrou com uma mala cheia de ideias para sair de mãos a abanar. Theresa May apresentou as propostas da Câmara dos Comuns, mas em continente europeu encontrou um bloco pouco disponível para mais conversas. Entre a primeira-ministra brtiânica e um Brexit sem acordo, está apenas uma promessa de tentativa de desboquear o impasse.

"O que apresentei foi a nossa posição clara de que devemos garantir mudanças juridicamente vinculativas no Acordo de retirada para lidar com as preocupações que o parlamento tem sobre o backstop. E alterando o backstop juntamente ao restante trabalho que estamos a realizar sobre os direitos dos trabalhadores e outras questões, vamos conseguir obter uma maioria estável no parlamento e é nesse sentido que vou continuar a trabalhar. Agora, não vai ser fácil. Mas o presidente Juncker e eu concordamos que as negociações vão começar agora a ser desbloqueadas, de forma a conseguirmos superar esta situação", revelou a primeira-ministra britânica.

Também o presidente do Conselho Europeu assumiu o compromisso de tentar quebrar o impasse, não sem antes receber uma repreensão pelas observações sobre o lugar reservado no inferno para os mentores do Brexit.

Theresa May afirmou ter levantado "essa questão com o presidente Tusk a propósito da linguagem que usou, não ajudou em nada e causou consternação generalizada no Reino Unido. Expliquei-lhe que deveríamos trabalhar juntos para garantir que possamos construir uma relação próxima entre o Reino Unido e a União Europeia no futuro, e é nisso que ele deveria concentrar-se".

Entre Reino Unido, Parlamento Europeu e Comissão Europeia, a fronteira Irlandesa permanece o tema mais controverso das negociações.

O Parlamento Europeu e a Comissão Europeia garantem estar abertos às soluções apresentadas pelos deputados britânicos, mas rejeitam qualquer perspetiva de renegociação.

"Para nós, uma garantia de backstop é absolutamente fundamental. E se houver problemas com este mecanismo tal como está agora previsto no acordo de retirada, a nossa proposta é tentar resolver o problema na declaração política, porque, enquanto parlamento, estamos abertos desde o primeiro dia a melhorá-la, de forma a torná-la mais vinculativa", declarou o negociador do Brexit do Parlamento Europeu, Guy Verhofstatd.

A bola volta agora a estar do lado de Londres, mais concretamente dos deputados britânicos, que May tem de convencer a ratificar qualquer proposta que surja das conversações com Bruxelas. Um feito que o líder da oposição promete não facilitar. Jeremy Corbyn já estabeleceu termos para o compromisso, entre os quais conta a adesão permanente a uma união aduaneira que May terá muita dificuldade em aceitar.

A cerca de 50 dias até a saída do Reino Unido da UE, os eleitores britânicos estão tão divididos quanto os líderes políticos que os representam. E no meio da incerteza, cabe a cada um olhar para o Brexit como uma visão do céu ou do inferno.