Última hora

Última hora

Theresa May culpa deputados por crise do Brexit

Theresa May culpa deputados por crise do Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

"Não me culpem pela crise do Brexit ... a culpa é dos deputados.", foi a mensagem da primeira-ministra britânica, Theresa May, num comunicado de Downing Street após um dia de mais drama político.

"Até agora, o Parlamento fez todo o possível para evitar uma escolha. Moção após moção e emenda após emenda foram apresentadas sem que o Parlamento decidisse o que quer. Todos os deputados têm estado dispostos a dizer o que não querem," afirmou Theresa May.

Quando faltavam apenas nove dias para a data inicialmente acordada para a saída da Grã-Bretanha da União Europeia, May informou o Parlamento britânico que tinha solicitado um adiamento de três meses do Brexit e que ia apresentar, de novo, a votação, o acordo já rejeitado por duas vezes. E pareceu sugerir que preferiria afastar-se a ter de implementar um adiamento maior.

"O Governo pretende apresentar propostas para uma terceira votação significativa. Se forem aprovadas, a prorrogação dará à Câmara tempo para ponderar a lei do acordo de saída. Se não o Parlamento terá que decidir como proceder, mas, como primeira-ministra, eu não estou preparada para adiar o Brexit além de 30 de junho," esclareceu Theresa May.

Ao recusar-se a esclarecer o significado das suas palavras, May foi atacada por todos os lados da Câmara dos Comuns, incluindo, claro, a oposição.

"Eles ficaram sem tempo, ficaram sem ideias. As pessoas, senhor presidente, em todo o país, estão ansiosas e frustradas com a total incapacidade deste Governo para encontrar um caminho para sair desta crise," declarou o líder do Partido Trabalhista, e principal partido da oposição, Jeremy Corbyn

Entretanto, o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, elevou a fasquia e colocou condições ao pedido de extensão de May.

"Acredito que uma pequena extensão será possível. Mas isso dependeria de uma votação positiva sobre o acordo de retirada na Câmara dos Comuns. A questão permanece em aberto quanto à duração de tal extensão," afimrou Donald Tusk.

Theresa May deve dirigir-se aos líderes da União Europeia em Bruxelas antes de estes deliberarem, sem ela, sobre a resposta.

Mas em casa, depois de enquadrar a crise sobre o Brexit como uma batalha entre o povo e o parlamento, deputados de todos os campos estão enfurecidos.