Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eurodeputados de esquerda não apoiam moção sobre Venezuela

Eurodeputados de esquerda não apoiam moção sobre Venezuela
Tamanho do texto Aa Aa

A esquerda radical e a esquerda moderada distanciaram-se de uma resolução sobre a crise política na Venezuela, aprovada apenas com 310 votos das alas conservadora e liberal, quinta-feira, no Parlamento Europeu, reunido em plenário, em Estrasburgo.

Em causa esteve a não inclusão no texto da afirmação clara de que a Europa repudia qualquer intervenção militar, como admite fazer o presidente dos EUA, explicou um membro do grupo da Esquerda Unitária Europeia.

"Esta votação foi diferente porque, pela primeira, houve uma clara divisão. O grupo socialista absteve-se e houve, também, muitos votos contra, mais de uma centena. Os conservadores e os liberais continuam a manter uma postura que não está em linha com o que a Europa deveria fazer, optando por defender, quase em uníssono, a postura extremista de Donald Trump", disse Javier Couso, em entrevista à euronews, a partir de Estrasburgo.

A mais recente resolução reitera o reconhecimento de que Juan Guaidó é o presidente interino da Venezuela, condena a repressão de dissidentes e a obstrução à ajuda humanitária. O texto também defende sanções contra o presidente no poder, Nicolás Maduro.

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, disse, no Twitter, que esta instituição comunitária não vai abandonar os venezuelanos e pediu-lhes para continuarem a lutar contra o regime.

O eurodeputado espanhol de centro-direita González Pons lamentou que os comunistas e os socialistas espanhóis tenham diluído a força da resolução.

Portugal na segunda ronda do Grupo de Contacto

A votação aconteceu poucas horas antes do Grupo de Contato se reunir em Quito, capital do Equador, para uma nova ronda diplomática com delegados europeus e de países sul-americanos.

Portugal é um dos oito países da União Europeia presentes, ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros, e a presidir estará a Alta Representante para a Política Externa da UE, Federica Mogherini.

"A entrada de ajuda humanitária e a criação de condições para a realização de eleições livres, transparente e credíveis" dominam a agenda, segundo o site da diplomacia portuguesa.

Esta reunião acontece já depois da chegada à Venezuela de tropas russas, o que aumentou a tensão política e provocou um nova troca de palavras entre o governo de Moscovo e o de Washington, com o último a exigir a saída desses soldados.

A Rússia avisou que as suas tropas permanecerão "o tempo que for necessário", garantindo que não são "ameaça para ninguém".