Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Parlamento britânico trava Brexit sem acordo

Parlamento britânico trava Brexit sem acordo
Direitos de autor
REUTERS/Alkis Konstantinidis
Tamanho do texto Aa Aa

O Brexit chegou à Câmara Alta do parlamento britânico. Os Lordes aprovaram um projeto de lei para forçar Theresa May a pedir um adiamento do Brexit em vez de uma saída sem acordo da União Europeia, a 12 de abril.

A medida visa impedir o Reino Unido de uma saída abrupta da União Europeia, mesmo que os parlamentares não cheguem a consenso. Apesar de ter passado, a lei continua a não agradar a todos.

"Este projeto de lei está a dizer à nossa primeira-ministra o que fazer, um caso clássico de um cão a perseguir a cauda, um caos constitucional", contestou, no parlamento, Lord Framlingham, do Partido Conservador.

No entanto, a proposta da Câmara dos Lordes, sem valor vinculativo, foi aprovada pela Câmara dos Comuns. Mesmo contra a vontade do governo, Theresa May terá agora de apresentar uma moção com nova data para o Brexit.

A dança prolonga-se em Westminster, mas cabe a Bruxelas por fim ao impasse. A primeira-ministra vai apresentar a moção, esta quarta-feira, aos parceiros europeus, que poderão dar um voto favorável ou sugerir propostas sobre a duração do adiamento.

Antes desse momento, May espera poder contar com o apoio de Angela Merkel e Emmanuel Macron, com quem se vai reunir esta terça-feira.

Com a ajuda do presidente francês e da chanceler alemã, espera da União Europeia uma prorrogação. Caso o Reino Unido não chegue a consenso, a saída está agendada para esta sexta-feira. É que mesmo depois de o parlamento britânico impedir por lei uma saída sem acordo, a decisão é dos 27.

E até ao momento, May tem poucos ou nenhuns trunfos para apresentar, com uma oposição intransigente na modificação de um acordo que Bruxelas dá por definido e inalterável.

Para Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, "o Governo não parece afastar-se das linhas vermelhas originais. Falei na questão de uma união aduaneira com a União Europeia (UE), do acesso ao mercado comum e, em particular, da proteção dos direitos dos consumidores, do ambiente e dos direitos dos trabalhadores".

No centro da discórdia permanecem a União Aduaneira e a fronteira irlandesa. O primeiro-ministro da Irlanda mantém, contudo, o encorajamento a May.

"Do ponto de vista da Irlanda, estamos abertos a estender o prazo, a fim de dar tempo para que as discussões sigam o seu curso e cheguem a uma conclusão", disse Leo Varadkar.

Face à incerteza do Brexit, a União Europeia dá primazia à Irlanda. Michel Barnier, o negociador-chefe da UE para o Brexit afirmou que "aconteça o que acontecer, a União Europeia apoia totalmente a Irlanda, .. um território aduaneiro único é atualmente a única solução que encontramos para manter o status quo na ilha da Irlanda".

Os 27 permanecem unidos e à espera de um consenso entre Governo, Conservadores e Trabalhistas.

O adiamento poderá ser aprovado esta quarta-feira em Bruxelas, mas o parlamento britânico ainda terá um acordo do Brexit para aprovar