Victória Guerra fala sobre "Três Mulheres" e "Variações"

Victória Guerra fala sobre "Três Mulheres" e "Variações"
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A atriz vive, aos 30 anos, um momento intenso na carreira e confessa-se à euronews numa entrevista exclusiva.

PUBLICIDADE

"Variações" e "O ano da morte de Ricardo Reis" são dois dos filmes portugueses mais esperados nos próximos tempos. O primeiro tem estreia prometida para agosto e o segundo, adaptação de João Botelho da obra de José Saramago, está em rodagem. Em comum, uma atriz: Victória Guerra.

Natural do Algarve, filha de mãe britânica e fluente em várias línguas, é uma das estrelas em ascensão da Sétima Arte em Portugal e conversou com a euronews dias depois de ter soprado 30 velas - uma carreira que já passou por Vergílio Ferreira ("Aparição") ou pelo papel de Snu Abecassis na série "Três Mulheres". Internacionalização em larga escala para breve? A atriz diz que não é uma prioridade, até porque prefere "continuar a trabalhar com bons profissionais em Portugal". 

Para Victória, interpretar personagens reais como Snu Abecassis ou Rosa Maria, a amiga íntima de António Variações na biopic de João Maia, é um desafio: "Há sempre um peso enorme, uma responsabilidade gigantesca quando fazemos personagens que existiram na realidade. É uma responsabilidade para com o público, mas também para com todos aqueles que conheceram essas pessoas de perto. Ao mesmo tempo, há um lado interessante, porque há sempre muita gente com quem podemos falar e livros que podemos ler para tentar encontrar a forma mais justa de interpretar a personagem", conta a atriz.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Editor de vídeo • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ator David Soul, o Hutch de "Starsky & Hutch", morre aos 80 anos

Apagão na TV pública polaca: Incerteza nos corredores da TVP

Novo governo polaco demite dirigentes dos meios de comunicação social públicos