Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Sondagens à boca das urnas indiciam viragem à esquerda no governo

Sondagens à boca das urnas indiciam viragem à esquerda no governo
Direitos de autor
عکس از رویترز
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Trabalhista está a ser apontado como vencedor das Eleições Federais a decorrer este sábado na Austrália.

A confirmar-se a sondagem à boca das urnas do canal Nine-Galaxy, o partido liderado por Bill Shorten deverá conseguiir 38% dos votos e tomar o controlo do governo das mãos da coligação de centro-direita liderada por Scott Morrison.

Numa disputa apenas entre os dois partidos mais votados, a sondagem indica que os trabalhistas levam uma vantagem sobre os liberais de 52-48, no fecho das urnas.

A sondagem, citada pelo jornal digital "News.com.au", terá sido realizada em 33 círculos eleitorais de seis estados australianos, indicia uma mudança do sentido de voto de 2,5% em confronto com as eleições de 2016, ganhas pelas Coligação Nacional, então liderada por Malcolm Turnbull.

As urnas foram, entretanto, fechadas no leste da Austrália e a contagem oficial começou.

Mais de dezasseis milhões de eleitores estavam registados para votar este sábado num escrutínio que se adivinhava equilibrado.

Pelo menos, quatro milhões de pessoas, de acordo com a BBC, terão exercido o voto previamente.

O atual chefe de governo, Scott Morrison, no lugar desde agosto passado após derrotar Malcolm Turnbull pela liderança do partido Liberal, tinha do seu lado o progresso económico da Austrália, cujo PIB está em crescimento ininterrupto há trinta anos.

A oposição decidiu atacar a política económica do governo e isso custou-lhe a perda de alguns pontos nas sondagens dos últimos dias.

Ainda assim, as primeiras sondagens à boca das urnas apontam mesmo para a mudança de governo para a esquerda, num país onde estabilidade política tem faltado desde 2007, com constantes mudanças antecipadas na liderança do governo.

Curiosamente, a imigração não se revelou um tema muito debatido durante a campanha para estas eleições, mas não deixa de estar presente.

Parte do Senado está também a votação este sábado e começa a ganhar força a hipótese do Partido Austrália Unida, de Clive Palmer, conseguir um lugar na câmara alta do Congresso com o lema "Tornar a Austrália grande".

Curiosamente, alguns dos cartazes de campanha do nacionalista foram produzidos... na China.