A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Olympique Lyonnais sem rival à altura no futebol europeu

Olympique Lyonnais sem rival à altura no futebol europeu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Menos de 24 horas depois de vencer em Budapeste a Liga dos Campeões pela sexta vez, a equipa feminina do Lyon estava de regresso a casa para ser recebida pelo presidente da Câmara local, Gérard Collomb. Jean-Michel Aulas era naturalmente um homem feliz, para o presidente do Olympique Lyonnais a vitória foi o resultado de muito trabalho, combinado com um talento incrível das suas jogadoras.

A hegemonia do clube na Europa sempre foi um sonho de Aulas e coube à equipa feminina torná-lo realidade. Contrariamente ao que acontece entre os homens, as melhores jogadoras mundiais não hesitam em vir para Lyon. É o caso de Ada Hegerberg:

"A Liga dos Campeões tem um grande significado para mim desde o primeiro jogo que fiz. Toda a gente conhece a importância da competição por isso ganhá-la pelo quarto ano consecutivo é uma aventura... quero apreciar o momento e manter a fome de vitórias para o futuro."

Com 13 triunfos consecutivos no campeonato francês mais seis títulos europeus nos últimos nove anos, o Lyon é claramente a grande potência mundial no feminino. Para o treinador, o antigo internacional francês Reynald Pedros, como "o clube fez um enorme esforço por estas jogadoras e pela equipa feminina", "o mínimo que podiam fazer era ganhar tudo o que fosse possível" e fizeram "com orgulho".

Se a série vitoriosa é para continuar, só o futuro o dirá. Os grandes clubes do futebol europeu só agora começam a acordar para o desporto rei no feminino e já vão com vários anos de atraso para o

Olympique Lyonnais, que confirmou o favoritismo para esta final com uma vitória categórica frente a um Barcelona que nunca encontrou forma de travar a melhor jogadora em campo, a vencedora da Bola de Ouro, Ada Hegerberg.

Para as campeãs da Europa é momento de festejar mas a festa quer-se curta. A maior parte das jogadoras tem já outro desafio pela frente, o sonho de qualquer futebolista, o Campeonato do Mundo que começa em França a 7 de junho.