Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Boeing 737 Max poderá retornar a voar em junho

Boeing 737 Max poderá retornar a voar em junho
Tamanho do texto Aa Aa

O avião 737 Max da Boeing pode retornar a voar já no final de junho, segundo a informação que os representantes da Agência Federal de Aviação dos Estados Unidos da América entregaram na agência de aviação das Nações Unidas.

Caso a decisão se venha a confirmar, as companhias aéreas norte-americanas poderão reativar os 737 Max, que têm nas frotas, a tempo da temporada alta do verão, evitando assim avultadas perdas.

As aprovações de outras autoridades aeronáuticas, em todo o mundo, levarão certamente mais tempo.

E, em plena guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, dez companhias aéreas chinesas reclamaram compensações à norte-americana Boeing pela paralisação dos aviões 737 Max que estimam que irá atingir os 520 milhões de euros até ao final de junho.

As 10 companhias aéreas são China Eastern Airlines, Air China, China Southern Airlines, XiamenAir, Shandong Airlines, Shenzhen Airlines, Kunming Airlines, Hainan Airlines, Lucky Air e Fuzhou Airlines.

" Os seus utilizadores, incluindo a Japan Airlines e a Ethiopian Airlines, solicitaram uma compensação à Boeing. Penso que ambas as partes farão os seus esforços para resolver esta quezília através da negociação, em vez de litígio ou arbitragem", conclui a professora de direito internacional da East China University of Political Science and Law.

A Boeing anunciou, há uma semana, que completou uma atualização no software de alertas dos pilotos, conhecido com MCAS. Uma falha terá estado na origem dos acidentes da Lion Air e da Ethiopian Airlines que resultaram em 346 mortos.