A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Suíça em greve pela igualdade salarial

Suíça em greve pela igualdade salarial
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Igualdade salarial, introdução de um salário mínimo, tolerância zero à violência baseada no género, são múltiplas as reivindicações que mobilizaram os suíços esta sexta-feira.

28 anos depois da última greve histórica, o facto de a lei de 1996, sobre a igualdade no trabalho, ainda permitir, num dos países mais ricos do mundo, que as mulheres ganhem em média 20% menos que os homens, levou a que as mulheres decretassem uma greve geral e a manifestações em várias cidades helvéticas.

“É um dia muito importante. Relembra o que ainda tem de ser feito. Estou a falar de igualdade na remuneração, da violência contra as mulheres," declarou a conselheira Federal Simonetta Sommaruga.

Em Berna, os deputados interromperam simbolicamente os trabalhos. Muitos parlamentares usaram emblemas feministas e vestuário ou adereços de cor púrpura.

"A igualdade salarial ainda não foi alcançada, é uma boa razão para entrar em greve," disse Ruth Dreyfuss, a primeira mulher tornar-se presidente da Confederação Suíça, em 1998, à RTS.