Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Oposição confirma conquista do poder em Istambul

Oposição confirma conquista do poder em Istambul
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

À segunda foi de vez, o partido do Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan foi afastado da câmara de Istambul depois de um quarto de século no poder naquela que é a maior cidade do país. Num escrutínio repetido por causa de alegadas irregularidades denunciadas pelo AKP de Erdogan, face a uma derrota por 13 mil votos no escrutínio de março, o partido republicano popular, CHP, de Ekrem Imamoglu não deixou margem para duvidas ao vencer desta vez com mais de 800 mil votos.

No discurso da vitória, o candidato Ekrem Imamoglu apelou à união.

Há quem diga ser o ponto de viragem no domínio político dos conservadores pro-islâmicos no país.

"Vai haver democracia em Istambul - unidade e fraternidade. Tudo vai ser grande e todos vão ver isso. Os apoiantes do AKP também vão ver isso e acreditar em Imamoglu", diz uma apoiante.

O antigo primeiro-ministro de Erdogan, Binali Yildirim, candidato derrotado, concedeu a vitória ao adversário e explicou que o resultado demonstra que existe democracia na Turquia.

O homem forte do país, Erdogan, nas rédeas do poder desde 2003, e ele próprio antigo presidente da câmara de Istambul, também assumiu, no Twitter, a derrota o seu partido. Com apenas 45% contra 54% dos votos do vencedor, Erdogan e o AKP perderam apoio nalguns feudos islâmico conservadores de Istambul. Os militantes do partido estão dececionados mas não culpam o seu líder.

"Estamos muito aborrecidos por causa do resultado eleitoral. Claro que a principal razão foi o facto das instituições do AKP não terem funcionado", diz um homem.

Com uma economia e as finanças da Turquia em apuros, há quem veja este ser o início da erosão do AKP, no poder há vários anos, com uma governação conhecida por controversos momentos, não só políticos, mas também sociais, como o Estado de emergência decretado após a tentativa de golpe de 2016, que originou a suspensão de direitos civis e constitucionais dos cidadãos e importantes purgas em diversos setores da sociedade.

O Presidente tem ainda muito tempo para inverter tendências. As eleições nacionais estão agendadas para dentro de quatro anos.