A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Erdogan aplaude anulação das eleições autárquicas em Istambul

Erdogan aplaude anulação das eleições autárquicas em Istambul
Direitos de autor
رویترز
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Eleitoral turca deu uma nova oportunidade ao AKP, o partido do Presidente Recep Tayyip Erdogan, de corrigir a derrota histórica nas eleições para a Câmara de Istambul.

As eleições de 31 de março, que tinham sido vencidas pelo maior partido da oposição, foram anuladas face às alegações de irregularidades. Um novo sufrágio foi marcado para 23 de junho, apesar das críticas do CHP, o Partido Republicano do Povo.

Por sua vez, Erdogan não demorou a aplaudir a decisão do organismo fiscalizador do processo eleitoral e considerou que as eleições para Istambul foram manchadas por irregularidades.

"Ficou claro que algumas pessoas com as mãos sujas envolveram-se no arranque para as eleições e trouxeram, passo a passo, a questão até este ponto. Sinceramente, acreditamos que houve corrupção organizada, total ilegalidade e irregularidades nas eleições para a câmara de Istambul", afirmou o presidente turco.

A vitória de Ekrem Imamoglu (CHP) no ato eleitoral de março, sobre Binali Yildirim, antigo primeiro-ministro, foi alcançado com uma diferença mínima de cerca de 20 mil votos sobre o AKP, que governa a cidade há 25 anos.

No entanto, a contestação à anulação das eleições já se faz ouvir nas ruas. Ao som do bater em tachos e panelas, residentes de Istambul expressam desta forma a revolta contra o que dizem ser um sinal digno de uma ditadura.

Logo no início de abril, a Comissão Eleitoral da Turquia decidiu abrir 32 investigações e interrogar mais de 100 presidentes de assembleias de voto.

Foi em Istambul que Erdogan lançou as bases para o poder que detém atualmente. Numa cidade com mais de 10 milhões de pessoas, o poder em Istambul tem um peso imenso sobre o próprio país e o presidente espera manter a cidade sob a alçada do AKP.