Última hora

O último capítulo da luta por Istambul

O último capítulo da luta por Istambul
Direitos de autor
REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Quase três horas de um debate histórico porque praticamente inédito na Turquia dos últimos anos. Em causa: as novas eleições para a câmara de Istambul, depois da anulação do último escrutínio por alegadas irregularidades.

Para Binali Yildirim, o derrotado candidato do AKP, o partido do presidente Recep Tayyip Erdogan, não havia necessidade de ter chegado até aqui.

"Por nós, não haveria novas eleições. Fizemos tudo o que podíamos para evitar esse cenário, mas o CHP não aceitou a recontagem dos votos. Por isso, temos de ir outra vez a eleições", apontou.

Binali Yildirim

"Quem ganha em Istambul, ganha a Turquia". O autor da frase é o próprio Erdogan e a verdade é que, no passado dia 31 de março, foram os sociais-democratas do CHP a vencer por uma diferença de 13 mil votos.

"Este novo escrutínio representa a luta pela democracia contra aqueles que enganaram 16 milhões de pessoas e tentaram usurpar os seus direitos", declarou Ekrem Imamoglu, o candidato do CHP.

Ekrem Imamoglu

As urnas vão reabrir já no próximo domingo, dia 23. E o mínimo que se pode dizer é que a comunidade internacional está atenta.

Segundo o analista político Umar Farooq, "há muita gente na Turquia revoltada contra o facto de Yildirim não aceitar a derrota. Vamos ver o que acontece nas eleições da próxima semana. Mas, de acordo com as sondagens, Imamoglu é o grande favorito".

O CHP conquistou também a capital, Ancara, nas autárquicas de março. As duas maiores cidades turcas eram dominadas pelos conservadores islâmicos desde 1994.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.