Irão: "Sanções dos EUA encerram canal diplomático"

Irão: "Sanções dos EUA encerram canal diplomático"
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chefe da diplomacia persa, Javad Zarif, acusou a "equipa B", numa eventual referência ao conselheiro de segurança nacional na Casa Branca, John Bolton, de ter sede de guerra.

PUBLICIDADE

A decisão da Casa Branca de recorrer a sanções contra o Irão suscitou reações iranianas imediatas com o ministério das Relações Exteriores persa a anunciar que "o canal da diplomacia foi encerrado".

Nas Nações Unidas, o representante iraniano anunciou não estarem na disposição de sucumbir à pressão. "Os Estados Unidos têm aplicado pressão sobre o Irão e vemos agora que eles adicionaram mais sanções. Por isso, ninguém no seu perfeito juízo pode aceitar diálogo com alguém que o ameaça com mais sanções", referiu o embaixador Majid Takht Ravanchi.

O chefe da diplomacia persa, Javad Zarif, acusou a "equipa B", numa eventual referência ao conselheiro de segurança nacional na casa branca John Bolton, de ter "sede de guerra".

Enquanto isso, o Secretário de Estado, Mike Pompeo, avança com a digressão de última hora ao Médio Oriente, depois da Arábia Saudita, Pompeo deslocou-se aos Emirados Árabes Unidos. O objetivo é formar uma coligação de mais de 20 países para proteger militarmente o conturbado Estreito de Ormuz, onde navios de várias nacionalidades foram atacados.

O ataque antecedeu a destruição de um drone americano na semana passada e fez escalar a parada do conflito, por enquanto diplomático e económico, com origem no controverso programa nuclear iraniano, alvo de um acordo que Washington pretende renegociar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo Nuclear: Irão admite reverter medidas se Europa der apoio político

Trump admite ter autorizado e desistido de ataque ao Irão

Líder supremo do Irão admite poucos danos no ataque a Israel: "O que importa é a vontade iraniana"