Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Referendo contra a privatização dos aeroportos de Paris

Referendo contra a privatização dos aeroportos de Paris
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Já são mais de 400 mil as pessoas contra a privatização dos aeroportos de Paris, geridos atualmente pelo grupo ADP, o qual o Presidente Macron pretende negociar por cerca de €7 mil milhões de euros.

Um abaixo-assinado para a proposta de referendo a apresentar à Assembleia Nacional foi aberto na internet por um grupo de 248 legisladores da oposição.

Juntando partidos da esquerda à direita e incluindo deputados e senadores, o movimento diz pretender defender o serviço público dos aeródromos da capital francesa.

Eric Coquerel, deputado eleito pelo França Insubmissa, considera que o facto de "toda a oposição se exprimir da mesma forma" reflete "a vontade da maioria do povo."

"Num caso como este, quando há um bloqueio para a solução pacífica de um problema, o povo é sempre a solução e nós temos um referendo para isso", acrescentou o deputado da ala esquerda.

Pela direita, Gilles Carrez, dos Republicanos, deu o exemplo de outros parceiros europeus que não abrem mãos dos respetivos aeroportos âncora, como se assume o Charles de Gaulle em França: "Em todos os grandes países com economias liberais, os grandes aeroportos ficam sob controlo do Estado. a única exceção é Heathrow (Londres), mas posso dizer-vos que os britânicos já se arrependeram dessa decisão."

"A Holanda, por exemplo, com uma economia muito liberal, tem o Schipol sob controlo e o Estado, mesmo liberal, não hesita em comprar capital da KLM quando é necessário", acrescenta o republicano.

Emmanuel Macron defende a privatização de parte do ADP e a perda de maioria pública no grupo, decidida em abril, mas admite respeitar a vontade do povo para um referendo sobre o tema se a proposta em curso recolher o apoio necessário para ser apresentada à assembleia.

Entre os apoiantes da proposta de referendo, Martine Louaire, de 60 anos, receia sobretudo a perda de qualidade do serviço aos consumidores, das condições de trabalho dos funcionários e mesmo o corte de empregos: "Como já vimos com o escândalo da privatização das autoestradas, quando se privatiza, deixa de ser o bem comum a interessar, mas o lucro."

O objetivo da proposta é conseguir 4,7 milhões de assinaturas até 12 de março do próximo ano. Duas semanas após o início do abaixo-assinado, a fasquia das 400 mil foi ultrapassada. Falta pouco mais de 90 por cento do objetivo.