A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Boris Johnson reforça milhões para "brexit" sem acordo

Boris Johnson reforça milhões para "brexit" sem acordo
Direitos de autor
Kirsty Wigglesworth/Pool via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Primeiro-ministro do Reino Unido anuncia mais 2,1 milhões de libras (cerca de 2,3 milhões de euros) para minimizar o impacto de um "brexit" sem acordo. Oposição reage e denuncia, pelo ministro sombra das Finanças, um género de supervisor da oposição, a medida do Governo como "um terrível desperdício do dinheiro dos contribuintes".

Após uma digressão pelos países que compõem o Reino Unido, a par de Inglaterra, Boris Johnson decidiu reforçar o financiamento do plano para amenizar os danos causados por um cada vez mais ameaçador "divórcio" sem acordo com a União Europeia.

O reforço de milhões alocado agora pelo novo primeiro-ministro britânico destina-se a contratar mais agentes fronteiriços e para a melhoria das infraestruturas de transportes e dos portos, procurando antever formas de reduzir a esperada congestão de trânsito provocada pelos atrasos nas fronteiras.

O dinheiro prevê também ajudar a reforçar o armazenamento de medicamentos e um programa nacional para ajudar empresários afetados pelo "brexit" sem acordo.

Banco de Inglaterra avisa

O Banco de Inglaterra previu que uma saída britânica da União Europeia sem acordo irá abrandar o crescimento económico do Reino Unido e desvalorizar a libra.

O correspondente da Euronews em Londres explica-nos que, "a menos de três meses do prazo final de 31 de outubro e após uma digressão do primeiro ministro pelo Reino Unido, o Governo está ainda a tentar perceber como poderá concretizar o 'brexit'".

"Dos primeiros-ministros da Escócia e do País de Gales, o executivo ouviu queixas de terem recebido poucos detalhes sobre a saída e estão, por isso, muito preocupados", sublinhou Vincent McAviney.