Última hora
This content is not available in your region

Boris Johnson reforça milhões para "brexit" sem acordo

Boris Johnson reforça milhões para "brexit" sem acordo
Direitos de autor
Kirsty Wigglesworth/Pool via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

Primeiro-ministro do Reino Unido anuncia mais 2,1 milhões de libras (cerca de 2,3 milhões de euros) para minimizar o impacto de um "brexit" sem acordo. Oposição reage e denuncia, pelo ministro sombra das Finanças, um género de supervisor da oposição, a medida do Governo como "um terrível desperdício do dinheiro dos contribuintes".

Após uma digressão pelos países que compõem o Reino Unido, a par de Inglaterra, Boris Johnson decidiu reforçar o financiamento do plano para amenizar os danos causados por um cada vez mais ameaçador "divórcio" sem acordo com a União Europeia.

O reforço de milhões alocado agora pelo novo primeiro-ministro britânico destina-se a contratar mais agentes fronteiriços e para a melhoria das infraestruturas de transportes e dos portos, procurando antever formas de reduzir a esperada congestão de trânsito provocada pelos atrasos nas fronteiras.

O dinheiro prevê também ajudar a reforçar o armazenamento de medicamentos e um programa nacional para ajudar empresários afetados pelo "brexit" sem acordo.

Banco de Inglaterra avisa

O Banco de Inglaterra previu que uma saída britânica da União Europeia sem acordo irá abrandar o crescimento económico do Reino Unido e desvalorizar a libra.

O correspondente da Euronews em Londres explica-nos que, "a menos de três meses do prazo final de 31 de outubro e após uma digressão do primeiro ministro pelo Reino Unido, o Governo está ainda a tentar perceber como poderá concretizar o 'brexit'".

"Dos primeiros-ministros da Escócia e do País de Gales, o executivo ouviu queixas de terem recebido poucos detalhes sobre a saída e estão, por isso, muito preocupados", sublinhou Vincent McAviney.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.