EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Boris Johnson não desiste e propõe nova votação para antecipar eleições

Boris Johnson não desiste e propõe nova votação para antecipar eleições
Direitos de autor 
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Parlamento britânico vai votar novamente na segunda-feira uma proposta para a realização de eleições antecipadas, anunciou o ministro responsável pelos Assuntos Parlamentares, Jacob Rees-Mogg

PUBLICIDADE

O Parlamento britânico vai votar novamente na segunda-feira, 09 de setembro, uma proposta para a realização de eleições antecipadas, anunciou hoje o ministro responsável pelos Assuntos Parlamentares, Jacob Rees-Mogg.

Numa declaração sobre a agenda parlamentar de segunda-feira, Rees-Mogg disse que a proposta seria debatida no final da sessão, não adiantando mais pormenores.

Adiantou ainda que, além de debates sobre questões relacionadas com a Irlanda do Norte, será concluído o processo de aprovação do projeto de lei que impõe um adiamento de três meses da data do ‘Brexit, atualmente prevista para 31 de outubro.

O texto está atualmente na Câmara dos Lordes, onde foi alcançado um entendimento esta madrugada para acelerar as discussões por forma que fiquem concluídas na sexta-feira.

Segunda-feira é o último dia para que, em termos administrativos, seja possível realizar eleições legislativas a 15 de outubro, como deseja o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, cuja proposta foi inviabilizada na quarta-feira pela oposição.

O Governo precisava do apoio de 434 deputados, correspondentes a dois terços do total dos membros da Câmara dos Comuns, mas só conseguiu 298 votos a favor.

O partido Trabalhista e o Partido Nacionalista Escocês (SNP) abstiveram-se, enquanto que 56 deputados votaram contra.

A proposta de eleições antecipadas foi apresentada pelo Governo após a derrota na Câmara dos Comuns na terça-feira, que permitiu à oposição e a um grupo de deputados conservadores introduzir legislação para impor um novo adiamento do ‘Brexit' e impedir uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo em 31 de outubro.

O texto exige que o primeiro-ministro britânico peça uma nova extensão da data de saída até 31 de janeiro caso o Parlamento não aprove um acordo de saída ou não autorize uma saída sem acordo até 19 de outubro.

Reuters
Jeremy CorbynReuters

Após conhecido o resultado da votação à proposta de eleições antecipadas, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, criticou o líder trabalhista por não o ter apoiado.

"Só posso especular sobre as razões e a conclusão óbvia é que ele não acredita que poderia ganhar" e urgiu Jeremy Corbyn a refletir sobre o que considera ser a "insustentabilidade desta posição".

Antes, durante a apresentação da proposta, Johnson disse que "é completamente impossível para o governo funcionar se a Câmara dos Comuns se recusa a aprovar qualquer coisa que o governo proponha", alegando que o adiamento do ‘Brexit' prejudica as negociações com Bruxelas e a possibilidade de um acordo no Conselho Europeu de 17 de outubro.

Mas o líder do ‘Labour', Jeremy Corbyn, qualificou a proposta de eleições antecipadas como uma "manobra cínica de um primeiro-ministro cínico" e defendeu que antes deve ser garantida a promulgação do projeto de lei que visa evitar uma saída sem acordo do Reino Unido da União Europeia a 31 de outubro ao impor um adiamento por mais três meses.

"Deixemos que este projeto de lei seja aprovado e obtenha a promulgação real e depois apoiaremos as eleições para não acabarmos com uma saída sem acordo da União Europeia", defendeu Corbyn.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trichet alerta para impacto "dramático" do Brexit

Irmão de Boris Johnson demite-se e abandona governo

Boris Johnson obrigado a ceder