A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Juventude e futuro no Irão

Juventude e futuro no Irão
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Numa altura em que o futuro do acordo nuclear do Irão regressa ao topo da agenda internacional, a repórter da euronews Annelise Borges deslocou-se à capital iraniana, Teerão, para, entre outras coisas, recolher as opiniões de vários jovens iranianos sobre a forma como encaram o futuro.

Anelise Borges, euronews: O que é que o futuro reserva para o Irão? Embora muitos sejam de opinião que esta questão se decide fora do Irão, há muitos que aqui também querem ter uma palavra a dizer sobre o assunto.

Gostava de começar por ti, Arian. O que é que te preocupa mais hoje em dia?

Arian Nabizadeh, licenciado em gestão pública: Apesar do nosso governo estar muito empenhado em reduzir os efeitos das sanções, as pessoas acreditam que não vão conseguir fazer aquilo com que sonham. Há muitos que estão a tentar emigrar.

Anelise Borges, euronews: Já antes falámos sobre isto Negin. Disseste-me que gostavas de sair e que gostavas de ir para o Canadá, por exemplo. Porquê? Porque é que queres sair do Irão?

Negin Sadeghi, designer de joalharia: Para mim, a razão mais importante é o meu trabalho mas não estou a falar de dinheiro. No nosso mercado de joalharia não temos direitos de autor. Isso quer dizer que não podemos desenvolver muito.

Anelise Borges, euronews: Agora vou virar-me para este lado. Sepehr, o que é que tu queres fazer no futuro e achas que há espaço para tal dentro deste país?

Sepehr Najafi, estudante de engenharia química: Eu quero ser feliz no futuro. Não vejo que o possa ser aqui, quero sair, deixar o Irão. Quero ir para os Estados Unidos. Visitei os Estados Unidos duas vezes nos últimos quatro anos. Não é como as pessoas pensam. É parecido a isto mas mais difícil, há mais liberdade, as pessoas são livres e ganham aquilo que merecem pelo trabalho que fazem.

Anelise Borges, euronews: Agora gostava de colocar uma questão a todos ao mesmo tempo. Podem levantar a mão aqueles que consideram os Estados Unidos um inimigo do Irão? Porque é que achas que os Estados Unidos são um inimigo?

Sanaz Mehrdar, gestora de projeto em telecomunicações: Acho que não compreendi bem a questão. Não creio que nenhum país seja inimigo de outro país. Todos os países têm pessoas boas e algumas más. É essa a questão, é por isso que todos estes jovens aqui querem sair do país. Tudo isso faz parte das razões para deixarem o país.

Anelise Borges, euronews: Grande parte do mundo está envolvida nas negociações, estas negociações intermináveis entre o Irão e o resto do mundo no sentido de salvar o acordo nuclear. Isso é algo que vocês acompanham aqui? Assistem às notícias todos os dias? Sabem o que se passa? O que se passa preocupa-vos?

Matin Shamlou, estudante de engenharia industrial: Definitivamente, é importante para todos. Se queremos alcançar os nossos objetivos e alcançar o melhor para as nossas vidas, penso que é uma boa ideia emigrar para outro país e experimentar outras coisas.

Anelise Borges, euronews: Gostava de perguntar à Raha, porque foste a primeira a dizer-me que encontraste um bom emprego aqui em Teerão, que tu queres ficar. Podes falar-me sobre isso? Sobre as tuas perspetivas de futuro e sobre se tens ou não fé neste país?

Raha Emami, estudante de engenharia química: A primeira razão é a minha família. Também visitei outros países mas quando se está em casa tudo é diferente. Penso que é importante ficar aqui e contribuir para melhorar as coisas, não é por ir para outro país que vou ter um futuro melhor. Por vezes, se encontramos um bom emprego ou boas oportunidades, podemos ficar aqui, porque não?

Anelise Borges, euronews: Obrigado a todos por participarem.