A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Gregos contestam reforma laboral

Gregos contestam reforma laboral
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de gregos saíram para a rua esta terça-feira na primeira grande ação de protesto contra o governo de Kyriakos Mitsotakis, que tomou posse no mês de julho. Por trás da greve geral está a reforma laboral que o novo executivo pretende introduzir e onde se destacam as alterações na lei que regula a convocação de greves, a possibilidade de ignorar os contratos coletivos de trabalho em vigor e a obrigatoriedade de registar todos os grupos sindicais. O estado de graça do novo governo chegou ao fim.

A greve afetou sobretudo os serviços de transportes públicos. O governo de Kyriakos Mitsotakis pretende incentivar novos investimentos no país mas nem toda a gente encara a reforma laboral da mesma forma.

Para o grupo sindical ADEDY, que representa mais de meio milhão de funcionários públicos, as mudanças que o governo está a tentar impor não passam de uma tentativa para limitar o direito à greve.