Última hora

Familiares criticam bombeiros na noite do incêndio na torre Grenfell

Familiares criticam bombeiros na noite do incêndio na torre Grenfell
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As famílias das vítimas do incêndio da torre Grenfell em Londres denunciaram as conclusões do relatório final sobre o incidente.

Muitos afirmam que o relatório publicado oficialmente esta quarta-feira deixa muitas questões em aberto.

Entre vários testemunhos carregados de emoção, houve quem afirmasse estar ali para lutar por justiça.

Muitos acusaram os bombeiros de falta de preparação e coordenação deficiente que resultou na morte de 71 pessoas.

"Eles são profissionais pagos, eles escolhem fazer este trabalho e demonstram uma falta enorme de senso comum; deixam as pessoas escolher o seu próprio destino, se querem saltar das janelas ou escapar de outra forma e não são inocentes", afirmou Nazanin Aghlani, que perdeu dois familiares no incêndio.

"Tem que haver uma mudança cultural e tem que começar a partir do topo, os sistema tem que ser mudado de cima a baixo", denunciou Shah Aghlani.

Muitos apontaram o dedo à comissária do corpo de bombeiros de Londres que inicialmente havia afirmado que não mudaria nada na resposta ao incidente.

"É claro que sabendo o que sabemos agora sobre os edifícios cobertos com este revestimento, é claro que vamos fazer tudo diferente até que esse revestimento seja todo retirado", admitiu Dany Cotton, comissária do corpo de bombeiros de Londres.

E perante as acusações apontadas por vários familiares das vítimas a comissária afastou a possibilidade de demissão.

"Não, não me demito. Vou reformar-me dentro de seis meses porque estou empenhada em fazer essas mudanças. Se me demitir não vou poder fazê-lo e ajudar a proteger a população de Londres", concluiu a comissária.

A tragédia foi recordada na Câmara dos Comuns com um minuto de silêncio.

O inquérito entra agora na segunda fase cujo objetivo é apurar as razões que levaram à instalação do sistema de revestimento inflamável.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.