This content is not available in your region

Funerais de apoiantes de Evo Morales

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
Funerais de apoiantes de Evo Morales
Direitos de autor  REUTERS/Marco Bello

Bolivianos começaram a realizar os funerais das vítimas mortais dos distúrbios de sexta-feira, após a renuncia do ex-Presidente Evo Morales.

O Provedor de Justiça disse que, pelo menos, cinco pessoas foram mortas na cidade de Sacaba e mais de 30 ficaram feridas, e pediu uma investigação urgente do Governo sobre o uso da força pela polícia e militares.

Através do twitter, Evo Morales denuncia que 24 pessoas morreram em consequência da repressão policial e militar. Diz que se está perante um "crime contra a humanidade" e exige que sejam encontrados os responsáveis.

Evo Morales renunciou denunciando um golpe de Estado. Os fiéis do ex-Presidente avançaram com o bloqueio das estradas de acesso à capital boliviana, La Paz.

A população enfrenta, agora, a falta de carne, ovos, laticínios e pão, também faltam gás de cozinha e combustíveis para os transportes. Os preços dispararam nos últimos dias.

A principal área dos bloqueios é a cidade de El Alto, a segunda mais povoada do país, reduto de Evo Morales. Os camiões com alimentos e combustíveis precisam de passar pela cidade para chegarem à capital da Bolívia. Outra via alternativa seria a aérea, mas também o aeroporto principal fica em El Alto.

"A totalidade dos setores de El Alto e Beni já estão mobilizados. Ninguém pode passar. As estradas foram fechadas. Os nossos colegas estão mobilizados. Enquanto Jeanine Anez (autoproclamada Presidente interina da Bolívia)  não renunciar, vamos continuar a bloquear. Os do sul continuarão a morrer de fome, mais do que qualquer outra pessoa," afirma uma apoiante de Evo Morales.

A falta de produtos básicos obriga a população a suportar grandes filas.

"Neste momento, estamos com falta de comida. Mesmo que se tenha dinheiro, não se pode comprar nada. Os preços subiram bastante, o que não é bom para muitas famílias. Lamentavelmente, quando chega a fome, não existem palavras para dizer a uma criança que não há comida," revela uma popular.

As autoridades tentam evitar o colapso total, que pode acontecer dentro de dois ou três dias. O ministro da Presidência, Jerjes Justiniano, anunciou que o Governo vai trazer alimentos através de aeroportos militares.

O comandante geral da Polícia, Rodolfo Montero, informou que tenta estabelecer o diálogo com os militantes que bloqueiam a refinaria de Senkata.