Última hora

Presidente Bolsonaro "deve ser responsabilizado" pela perda de floresta

Sting e a mulher Trudie Styler à entrada para a celebração da Fundação "Rainforest"
Sting e a mulher Trudie Styler à entrada para a celebração da Fundação "Rainforest"   -  
Direitos de autor
ASSOCIATED PRESS/ Evan Agostini
Tamanho do texto Aa Aa

O músico britânico Sting voltou esta semana a responsabilizar o presidente do Brasil pela alegada maior perda de sempre de floresta na Amazónia.

A acusação do antigo vocalista dos Police surgiu à entrada para o concerto de amigos de celebração dos 30 anos da fundação "Rainforest", criada pelo músico para ajudar a proteger as florestas tropicais.

"Penso que perdemos mais floresta tropical este ano do que em todos os anos em que estive envolvido nesta luta. E tudo por causa do governo e da retórica nacionalista que permite entrar na floresta e queimar tudo. É uma desgraça. E ele, o presidnete, deve ser responsabilizado por isso", afirmou Sting, em Nova Iorque, à entrada para a celebração do seu ativismo ambiental.

As declarações surgem dois meses e meio depois de uma publicação no Facebook onde Sting já acusava Jair Bolsonaro de ter uma "retórica incendiária" e onde pedia "ao governo brasileiro para alterar as políticas que abriram a Amazónia à exploração".

Legend has it that the Emperor Nero “fiddled while Rome burned”. While obviously bristling at the dubious factoid that...

Publiée par Sting sur Mardi 27 août 2019

Também habitual utilizador das redes sociais, o presidente do Brasil ainda não reagiu às novas declarações de Sting.

Enquanto isso, o desflorestamento da Amazónia avança e só em outubro, de acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), perderam-se 583 quilómetros quadrados de floresta na região denominada Amazónia Legal.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.