Última hora
This content is not available in your region

Os novos desafios de Boris Johnson

euronews_icons_loading
Os novos desafios de Boris Johnson
Tamanho do texto Aa Aa

Dois dias depois da vitória conseguida pelos conservadores de Boris Johnson nas eleições britânicas, que lhe garantiram uma maioria absoluta e a certeza de conseguir o Brexit, o primeiro-ministro foi até ao norte de Inglaterra visitar alguns dos antigos bastiões trabalhistas que mudaram de cor.

Nestas eleições, caiu a chamada muralha vermelha - zonas operárias, tradicionalmente representadas por trabalhistas, mas que no referendo votaram a favor do Brexit e agora nos conservadores.

"Imagino as canetas das pessoas a percorrer o boletim de voto, a hesitar até votar em nós. Sei que essas pessoas romperam hábitos de há várias gerações. Quero que as pessoas no nordeste saibam que nós, no Partido Conservador, vamos honrar a confiança que depositaram em nós", disse o primeiro-ministro.

O grande perdedor das eleições foi o Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn. O programa, um dos mais à esquerda de sempre, foi uma aposta perdida. Como resultado, Corbyn deve deixar a liderança e o resto do governo-sombra deve seguir o mesmo caminho.

John McDonnell, até agora ministro-sombra das Finanças, já anunciou a intenção de sair: "Vamos todos sair. Vai chegar um novo líder e nomear um novo governo-sombra e eu não farei parte dele. Já fiz a minha parte, precisamos de avançar, nesse aspeto, com um novo líder", disse.

A pedra no sapato de Boris Johnson parece ser a Escócia, com a forte votação no Partido Nacional Escocês, de Nicola Sturgeon, a dar-lhe força para realizar um novo referendo à independência.

Ao telefone com Sturgeon, Boris Johnson já lhe disse que se opõe a esse referendo.