Última hora
This content is not available in your region

Líderes mundiais em Jerusalém para lembrar o Holocausto

euronews_icons_loading
Líderes mundiais em Jerusalém para lembrar o Holocausto
Direitos de autor
Atef Safadi/Pool Photo via AP - ATEF SAFADI
Tamanho do texto Aa Aa

A cidade de Jerusalém lembra o genocídio dos judeus. Os organizadores dizem que é o maior encontro de líderes mundiais alguma vez organizado por Israel. Mais de 45 chefes de Estado, vão lembrar as vítimas do Holocausto e alertar para a crescente onda antissemitismo.

O "Quinto Fórum Mundial do Holocausto" marca, também, o 75º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau.

Israel espera que o evento, e os convidados de peso, representem uma frente unida e que sirva para passar uma forte mensagem:

"Espero e rezo para que desta sala saia uma mensagem divulgada em todos os países da Terra. Que os líderes do mundo se unam na luta contra o racismo, o antissemitismo e o extremismo", afirmou o presidente de Israel, Reuven Rivlin.

Paralelamente ao encontro acontecem reuniões entre os líderes presentes mas não só. O presidente português, por exemplo, encontrou-se com dois sobreviventes do Holocausto.

Já o presidente francês esteve com o líder palestiniano Mahmoud Abbas. De fora ficou a Polónia, onde se celebrará a data na próxima segunda-feira. O chefe de Estado polaco decidiu não estar presente por não ser um dos oradores na cerimónia que é vista como uma cedência de Israel à Rússia, quando russos e polacos contam a história, esta história, de maneiras diferentes.

Esta será, portanto, a primeira de duas comemorações e onde se juntam os dois lados da II Guerra Mundial e hoje os objetivos são outros, como explica Frank-Walter Steinmeier, o presidente da Alemanha:

"Esta é, antes de mais, uma comemoração e isso não deve excluir o facto de falarmos sobre os nossos deveres. A nossa responsabilidade, hoje, é combater o antissemitismo, o racismo e o ódio", referiu o chefe de Estado germânico.

Auschwitz foi o maior dos seis campos de extermínio nazis. Foi também aquele onde centenas de milhares de pessoas, na sua maioria judeus, foram torturados e assassinados durante a Segunda Guerra Mundial.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.