Última hora
This content is not available in your region

Criança morre no mar Egeu durante braço-de-ferro com a Turquia

euronews_icons_loading
Centenas de migrantes aguardam para cruzar a fronteira turca para Evros, na Grécia
Centenas de migrantes aguardam para cruzar a fronteira turca para Evros, na Grécia   -   Direitos de autor  AP Photo/Emrah Gurel   -   Emrah Gurel
Tamanho do texto Aa Aa

Uma criança morreu esta segunda-feira quando a embarcação repleta de migrantes em que seguia se virou no mar Egeu, ao largo da ilha grega de Lesbos.

É a primeira morte registada entre migrantes no Mar desde que o Presidente turco Recep Tayyp Erdogan decidiu abrir as fronteiras para a Europa.

A agência europeia Frontex anunciou entretanto uma intervenção rápida de apoio à Grécia nas fronteiras com a Turquia, onde milhares de migrantes tentam agora atravessar de novo para a Europa.

O limite administrativo do território europeu voltou a estar sob forte pressão após a decisão de Erdogan, numa tentativa de pressionar a União Europeia a assumir um papel mais ativo na gestão desta nova vaga de pessoas em fuga sobretudo da Síria, onde os combates voltaram a agravar-se nas últimas semanas em especial na região de Idlib.

A Turquia acusa a UE de não estar a cumprir o acordo bilateral de 2016.

O enviado especial a euronews à fronteira greco-turca, Apostolos Staikos, esteve no posto fronteiriço de Kastanies, em Evros, "apenas a alguns metros da Turquia", onde pôde ver "centenas de migrantes a pressionar a fronteira."

"Eles gritam as palavras 'Paz' e 'Grécia, e pedem para serem abertas as fronteiras", conta-nos o nosso jornalista, citando as autoridades gregas na estimativa de de que "há cerca de 10.000 migrantes acampados do outro lado da fronteira".

Atenas mobilizou para Evros um vasto contingente de forças de segurança oriundas de toda a Grécia. Pelo menos, um destes agentes ficou ferido na repressão aos migrantes e vários veículos militares ficaram danificadas.

Uma delegação grega da Cruz Vermelha está também nesta zona para ajudar. Se a deixarem.

"As equipas de socorro e os voluntários da Cruz Vermelha grega vieram para ajudar os homens e as mulheres das forças armadas gregas aqui a operar. Se o exército grego entender que também podemos ajudar um refugiado ou um migrante também iremos intervir. Precisamos, contudo, de ter autorização das forças de segurança gregas", explicou-nos Apostolos Karampaglidis, um dos elementos desta delegação helénica da Cruz Vermelha.

O governo grego estima ter impedido desde as 06 horas da manhã de domingo cerca de 10 mil travessias ilegais da fronteira, a partir da Turquia, e diz ter detido cerca de 70 pessoas por invasão do território europeu.

As travessias marítimas da Turquia para a Grécia também aumentaram nestes últimos dias e a guarda costeira grega divulgou inclusive imagens de de um barco da marinha turca alegadamente a servir de escolta a frágeis embarcações repletas de migrantes a entrar nas águas territoriais europeias no Mar Egeu (vídeo em baixo).

De acordo com a guarda costeira grega, a embarcação de migrantes que se vê nestas imagens será a mesma que viria a afundar-se ao largo da ilha de Lesbos, provocando a morte de uma criança.

As autoridades gregas alegam que terão sido os ocupantes da embarcação a virar de propósito o barco quando a guarda costeira helénica se aproximava, numa prática que alegam ser habitual entre os migrantes para atrairem navios de resgate.

De acordo com o jornal Ekathimerini, a Grécia acusa a Turquia de orquestrar uma tentativa "coordenada" de violação das fronteiras ao encorajar milhares de requerentes de asilo a rumarem ilegalmente para a Europa.