Última hora
This content is not available in your region

EUA: Biden venceu a noite mas a corrida é mais renhida do que parece

euronews_icons_loading
EUA: Biden venceu a noite mas a corrida é mais renhida do que parece
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Joe Biden nunca teve tantos votos em toda a carreira política. As atenções estão viradas para o antigo vice-presidente dos EUA, ex-braço direito de Barack Obama, que conseguiu a vitória em 10 dos 14 estados norte-americanos que foram a votos nesta Super Terça-feira.

Depois de vencer na Carolina do Sul com perto de 30% - maioria dos votos vinda da comunidade negra - Joe Biden conseguiu um dos estados mais desejados: Texas, onde grande percentagem da população é latina.

"Joe Biden saiu-se muito bem com a comunidade afro-americana."
Bernie Sanders

"Precisamos de unir todos os norte-americanos, e até já o fizemos...mostramos isso na terça à noite. Independentemente da raça, sexo, se têm uma deficiência, se é de outra etnia, se é democrata, republicano - independemente de tudo. É isto que temos de fazer para vencer.", disse Joe Biden, a regir à vitória.

Bernie Sanders conseguiu menos de metade dos estados de Joe Biden. O progressista conseguiu quatro estados: Utah, Colorado, Vermont - onde é senador - e Califórnia, um dos estados mais numerosos, com mais de 400 delegados. Apesar de Joe Biden ter conseguido vencer em dez estados e Bernie Sanders em quatro, os dois candidados continuam lado a lado, muito perto um do outro, apenas com 55 delegados de diferença. Bernie Sanders elegeu até agora 501 delegados, Joe Biden 566.

Enquanto Joe Biden festeja a vitória da "Super Terça-feira", Bernie Sanders faz o mesmo, congratulando o adversário.

"Joe Biden saiu-se muito bem com a comunidade afro-americana, mas se olharmos para a Califórnia: afro-americanos, latinos, asiáticos-americanos, vencemos com grande certeza. Grande certeza. De longe.", disse Bernie, no dia seguinte ao "dia d".

AP
APTOPIX Election 2020 Mike BloombergAPEduardo Munoz Alvarez

De candidatos a apoiantes

De 'malas arrumadas' e com menos 500 milhões de dólares no bolso, cerca de 450 milhões de euros investidos na campanha, Mike Bloomberg desistiu da corrida democrata e decidiu apoiar Joe Biden para, como disse, "derrotar Donald Trump". O multimilionário admitiu que o caminho para derrotar o atual presidente dos EUA se tornou impossível de se fazer sozinho.

"Há três meses, apresentei a minha candidatura presidencial para vencer Donald Trump. Hoje, retiro-me da corrida pelo mesmo motivo: vencer Donald Trump, porque ficou claro para mim que continuar tornaria mais difícil conseguir isso", explicou Bloomberg, antes de anunciar o apoio a Joe Biden.

Quem também desistiu da corrida e 'deu a mão' a Biden foi Amy Klobuchar. A candidata desistiu depois do fraco resultado que obteve da Carolina do Sul, antes da "Super Terça-feira". No discurso de desistência, anunciou o apoio ao antigo vice-presidente dos EUA, Joe Biden. Pete Buttigieg, o candidato surpresa que desistiu após as eleições da Carolina do Sul, também irá apoiar Joe Biden contra Bernie Sanders.

Estará Elizabeth Warren pronta para se unir a Bernie?

Com os fracos resultados da candidata nestas eleições, surgem os rumores de que Warren poderá unir-se à força de Bernie Sanders. O The Guardian avançou que a equipa de Elizabeth Warren terá marcado uma reunião com a equipa de Bernie Sanders, o que leva a querer que os candidatos se poderão unir na reta final, o que só acontece se Warren desistir da própria campanha, paga inteiramente com donativos.

Os dois candidatos partilham dos mesmos ideais no que diz respeito à saúde. Querem ambos um Sistema Nacional de Saúde mais acessível para todos.

"Esperança acima do medo. Coragem acima do cinismo."
A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.