Espanhóis voltam a sair e enchem ruas

Espanhóis voltam a sair e enchem ruas
Direitos de autor Euronews
De  Cristina Giner
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mesmo se as saídas para fazer desporto são alvo de condições restritas, a marginal de Barcelona ficou cheia, como constatou a nossa correspondente.

PUBLICIDADE

Pela primeira vez em quase 50 dias em Espanha pode finalmente caminhar e fazer desporto: "Esta medida que outros países já tomaram aqui demorou um pouco, talvez devido às circunstâncias, mas é bom que este momento tenha chegado. Tive saudades de ver o mar e fazer desporto".

Isto desde que sejam respeitadas as medidas de segurança e as faixas horárias estabelecidas para as famílias com crianças, para o desporto ou a pé e para os idosos e pessoas vulneráveis.

"O primeiro pensamento é sair de casa e apanhar sol, andar por aí e tirar partido disso como quando saíamos a correr da escola", conta um sénior.

Mas as regras nem sempre são seguidas. Algumas pessoas estão desiludidas, perante as multidões que se veem na marginal de Barcelona: "Com todo o esforço que fizemos, o governo não deveria ter voltado atrás, porque não estivemos à altura. Pensei que as pessoas estariam muito mais conscientes e vejo que não o fizeram. Vemos tudo isto e ficamos desapontados", diz uma corredora.

Comércio reabre com restrições

Muitos estabelecimentos preparam-se para reabrir as portas. Os cabeleireiros podem agora fazê-lo mediante marcação e medidas rigorosas de higiene. Mas também há muita insegurança: "Para cada cliente, só há um cabeleireiro que pode trabalhar. Então as pessoas que têm empregados estão com a incerteza se eles podem abrir ou não", diz Sonia Ruiz, proprietária de um cabeleireiro.

Sem turismo e com os consumidores receosos de um futuro económico sombrio, o sector da hotelaria e restauração sofre: "Nós que estamos em frente ao mar e que vivemos principalmente do turismo. Para nós é um banho de sangue. Agora a solução é ter paciência e saber adaptar-nos ao que está para vir", diz Mauricio, dono de uma pizaria.

Por enquanto, só é possível o take-away. Na próxima fase, os bares e restaurantes vão poder abrir as esplanadas, com 30% das mesas.

O Governo espanhol está a planear uma desescalada em 4 fases. As datas dependerão da evolução da situação sanitária, mas em nenhum caso a nova normalidade chegará antes do final do mês de Junho. Com fronteiras fechadas e pouca mobilidade, o turismo poderá perder até 55 000 milhões de euros, o que significa uma queda de 32% do PIB deste setor.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quarentena nas Galápagos

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo