Última hora
This content is not available in your region

Acusações agravadas contra envolvidos na morte de Floyd

euronews_icons_loading
Acusações agravadas contra envolvidos na morte de Floyd
Direitos de autor  Handout / Hennepin County Jail / AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Uma multidão mais numerosa do que no dia anterior voltou a encher as ruas de Washington para, em frente à Casa Branca, protestar contra a morte de George Floyd e a violência policial sobre afro-americanos.

Foi o nono dia de manifestações em várias cidades do país. Foi também dia de nova violação do recolher obrigatório, apesar de agravadas as acusações contra os quatro polícias envolvidos na morte em Mineápolis.

O agente que pressionou pescoço de George Floyd foi acusado de homicídio intencional e os três colegas são acusados de cumplicidade. Derek Chauvin pode ser condenado a 40 anos de prisão.

"O que eu não acredito é que uma acusação bem-sucedida pode retificar a dor e o sentimento de perda que tanta gente sente. A solução para essa dor vai ser um lento e difícil trabalho de construção da justiça e igualdade na nossa sociedade", explicou Keith Ellison, procurador-geral do Estado do Minnesota.

Em conversa com ativistas na internet, o antigo presidente Barack Obama voltou a intervir em público, juntou a sua voz ao apoio aos manifestantes e pediu reforma da polícia.

"Tenho estado a escutar coisas como encobrimento versus protestos, política, e participação versus desobediência civil e ação direta. Não se trata de uma coisa ou outra, mas sim avançar com mudanças reais", disse Barack Obama.

Se em Washington o número de manifestante foi maior, a presença das forças de segurança também, com alegados elementos suplementares de várias agências federais.